Filmes

8 motivos para maratonar “Lupin”, um dos sucessos da Netflix

Lupin
8 motivos para maratonar ‘Lupin’, na Netflix (Foto: Divulgação/Netflix)

Pode parecer surpreendente que a série de maior sucesso da Netflix no momento seja uma versão contemporânea das histórias de um clássico anti-herói francês criado no início do século passado. Pois é, adivinhou quem pensou na série “Lupin”, produção que já foi vista por mais de 70 milhões de espectadores no mundo inteiro, além disso, continua nas 10 mais assistidas no momento no Brasil. Contudo, o que chama atenção é que a série mescla o passado com o presente, sendo capaz de despertar momentos de tensão e ansiedade nos episódios. Só esse número já é um bom motivo para você assistir a trama, que aliás, conta com cinco episódios de aproximadamente uma hora, e assim reunimos 8 motivos para você maratonar Lupin, hoje mesmo. Vem ver:


1. Baseado em uma série de livros

A obra foi lançada originalmente em 1907, sob encomenda do editor da revista Je sais tout Pierre Lafitte. Na época, o contratante procurava por uma história com algum personagem inovador, mas que ao mesmo tempo mesclasse os enredos de Sherlock Holmes e A. J. Raffles. A novela policial de Leblanc resultou na criação de um protagonista semelhante ao Robin Hood, apresentando um anti-herói audacioso, sedutor e defensor dos mais necessitados e oprimidos. Arsnène Lupin tornou-se uma espécie de anarquista que vivia como aristocrata, sendo amplamente retratado em 17 romances e 39 contos do escritor. Devido ao sucesso, mais tarde, foi incorporado em diversas outras produções cinematográficas. Como resposta ao detetive inglês Sherlock Holmes, criado por Arthur Conan Doyle, o anti-herói francês satiriza, ainda, a burguesia do século 20, ao mesmo tempo que ludibria o investigador da obra literária, chamado Herlock Sholmes.

Para quem se interessou no livro: é só clicar aqui!


2. Lupin é surpreendente

Antecipadamente, a obra é apresentada a turbulenta história de Assane Diop (interpretado pelo talentoso Omar Sy). Filho de um motorista de uma família rica e branca de Paris, o seu mundo desaba quando o pai é acusado do roubo de um colar (da Maria Antonieta) que esteve na mão do clã. Apesar da história de Assane ser surpreendente por si só, o que intriga de fato o telespectador é que a série de George Kay e François Uzan misturou a narrativa do personagem com as aventuras de Lupin (por isso, seus planos e truques são extraordinários e surpreendentes), conhecido como o Sherlock Homes dos franceses.

Lupin
8 motivos para maratonar ‘Lupin’, na Netflix (Foto: Divulgação/Netflix)

3. Aborda o racismo estrutural

A série da Netflix proporciona uma reflexão sobre os horrores do racismo na sociedade. Isso porque é impossível não se chocar com tudo que é feito com o pai do protagonista da produção. Além disso, a saga do próprio Assane após a morte de seu pai já mostra como o jovem teve que encarar os obstáculos que a sociedade impõe aos negros.


4. O roubo do Louvre foi inspirado em fatos reais

Uma cena que mostra um roubo ousado durante um leilão no Louvre, por exemplo, foi baseado em um furto real de 2010 no Museu de Arte Moderna (em Paris), em que o praticante de parkour Vjeran Tomic, conhecido como o “homem-aranha francês”, roubou cinco obras do museu avaliadas em EUR 104 milhões.

Lupin
8 motivos para maratonar ‘Lupin’, na Netflix (Foto: Divulgação/Netflix)

5. Episódios viciantes

Cada episódio de Lupin desperta a curiosidade para saber o que vai acontecer não só com o protagonista, mas também com as pessoas envolvidas em seu ciclo de vingança. Inclusive, isso fez com que muitos internautas ficassem com uma pulga atrás da orelha após o final da primeira parte da produção, que é dividida em 5 episódios.

6. A história dos outros personagens

Como mencionado anteriormente, a série não é só sobre roubos de brilhantes. A trama mostra a história dos outros personagens da obra ligados ao Assane com sua ex-esposa, Claire, e com seu filho, Raoul, de forma verdadeiro e sensível. Além disso toda a narrativa faz com que você fique intrigado com todos aqueles que estão envolvidos com Assene, principalmente, é a jornalista a quem o protagonista recorre quando precisa encontrar meios para executar um dos momentos de maiores tensão da série.

Lupin
8 motivos para maratonar ‘Lupin’, na Netflix (Foto: Divulgação/Netflix)

7. Cenário parisiense

Aliás, a série tem como cenário à espetaculosa Paris. Além disso, as cenas do museu do Louvre foi gravado no próprio, além disso, diversas cenas em cenários espetaculares aos menos espetacular – mostrando uma Paris, que não vemos muito nos cinemas.


8. A atuação do talentoso Omar Sy

O ator Omar Sy surge na série Lupin com talento e carisma multiplicados por dez. Dessa forma, o ator de nacionalidade francesa e que também carrega em seu currículo trabalhos de humorista, dublador e roteirista, já foi bastante visto no cinema, seja como protagonista ou em papéis secundários.

8 motivos para maratonar ‘Lupin’, na Netflix (Foto: Divulgação/Netflix)

Enfim, com todo esse sucesso a Netflix já anunciou que a segunda parte da minissérie está confirmada – ainda mais que… (ok, sem spoilers)!

Gostou da nossa matéria? Acompanhe no Pinterest e Instagram para ver mais conteúdos.

Bridgerton: o que haverá nas próximas temporadas da série?

Bridgerton
O elenco da série Bridgerton da Netflix, da Netflix.

Bridgerton é uma das séries que estreou em streaming da Netflix com muito sucesso. Depois de oito capítulos, a série dramática e romance de época criada por Chris Van Dusen e produzida por Shonda Rhimes, conseguiu reunir mais de 63 milhões de pessoas envolta das telinhas. Pensando nisso, fizemos abaixo uma lista com o que esperar das próximas temporadas do seriado, com base nos livros de Julia Quinn. Confira:

Haverá mais temporadas de Bridgerton?

Até agora, uma segunda temporada de Bridgerton não foi oficialmente confirmada, mas o número restante de romances nessa trilogia parece ser uma boa indicação para a plataforma de streaming decidir continuar a história que ainda tem tópicos para abordar.

Uma das declarações de Chris Van Dusen – poderia haver mais temporadas. “Pode ser muito cedo para falar sobre isso. Tenho planos e uma visão em minha cabeça para a sequência. A primeira temporada foi sobre Daphne e seguiu sua história de amor com Simon. E os livros de Bridgerton são oito, e são sobre os oito irmãos. Na sequência adoraria explorar as histórias e romances de cada um dos irmãos Bridgerton”. Então, vamos torcer para mais temporadas!


A história de Anthony Bridgerton – O Visconde que Me Amava
Bridgerton
Anthony Bridgerton, série da Netflix

No melhor estilo “Bridgerton“, “O Visconde Que Me Amava” continua imerso na saga de casamentos, mas o foco agora passa a ser Anthony Bridgerton, que sofre com a pressão de achar a esposa ideal na visão da família. Certo de que morrerá jovem igual ao pai, Anthony não sonha em encontrar um amor verdadeiro, apenas uma grande amiga para passar os últimos dias, mas, ainda assim, terá que lidar com todo aquele escândalo da época em torno desse processo.

O relacionamento não será muito bem aceito por um detalhe: Kate é irmã de Edwina, considerada a candidata ideal para se casar com o rapaz. No meio de toda confusão de Anthony, que não deixa de cortejar Edwina, Kate acaba sendo picada por uma abelha durante um passeio na casa de campo. Apesar de um simples acidente, o fato será responsável por selar o destino dos personagens. Por causa do que aconteceu com o pai (morreu por causa da picada de uma abelha), Anthony acaba tendo um ataque de pânico e decide sugar o suposto veneno da abelha do colo de Kate em “O Visconde Que Me Amava”, fazendo com que as mães entrem em acordo para zelar pela reputação de Kate. Quem já está ansiosa por esse lindo romance?


A história de Benedict – Um perfeito Cavalheiro
Bridgerton
Benedict Bridgerton, série da Netflix

O terceiro livro tem foco em Benedict e seu romance com Sophie Beckett, uma personagem ainda não apresentada na série de TV. Ela é filha ilegítima de um conde e, por isso, foi colocada para trabalhar como criada por sua madrasta, depois que seu pai morreu. Um dia ela consegue ir em um baile de máscaras dos Bridgerton e se encanta por Benedict, com quem dança até a meia noite, e o relacionamento dos dois se desenrola numa espécie de releitura de Cinderela.

Como a série está fazendo algumas mudanças em comparação com os livros, é provável que a história da “Cinderela” tenha algumas alterações, mas seu romance complicado com Benedict deve ser levado para as telas.


A história do Colin – Os segredos de Colin Bridgerton
Bridgerton
Colin Bridgerton, série da Netflix

Colin Bridgerton já teve um bom desenvolvimento na primeira temporada da série e isso deve se intensificar nas próximas temporadas. Quarto livro da série, Os Segredos de Colin Bridgerton mostra o que acontece com Colin depois que ele volta de viagem (a mesma que ele faz ao final da primeira temporada do seriado) e se envolve mais com Penelope Featherington, que é apaixonada por ele.

Colin Bridgerton e Penelope Featherington se reencontram após alguns anos e a chama da paixão reacende. Mas o romance que parecia ideal pode desmoronar quando o nobre descobre que a mulher guarda um grande segredo dele.


A história de Eloise – Para sir Phillip, Com Amor
Bridgerton
Eloise Bridgerton, série da Netflix

Chegou a vez de Eloise Bridgerton. No livro Para Sir Phillip, com Amor, há um desenvolvimento maior de Eloise, quando ela se interessa por Phillip Crane, que está longe de ser um “par perfeito”. Eloise é voluntariosa e não para de falar, e ele é temperamental e rude, com um comportamento bem diferente dos homens da alta sociedade londrina. Apesar disso, nos raros momentos em que Eloise fecha a boca, Phillip só pensa em beijá-la. E cada vez que ele sorri, o resto do mundo desaparece e ela só quer se jogar em seus braços. Agora os dois precisam descobrir se, mesmo com todas as suas imperfeições, foram feitos um para o outro. Será interessante ver como Eloise vai lidar com o fato de estar apaixonada e tentar conciliar seu modo de ver a vida com o romance.

Eloise, a segunda irmã mais velha da família, já mostrou na primeira temporada da série que não é como as outras jovens de sua geração. Afinal ela questiona toda a ideia do casamento e tem o desejo de estudar e conhecer o mundo antes de ficar “presa” a uma família tradicional.


A história de Francesca – O Conde Enfeitiçado
Bridgerton
Francesca Bridgerton, série da Netflix

Francesca chama a atenção de Michael Stirling, um dos libertinos mais famosos de Londres, que prometeu jamais se casar, mas não resiste aos encantos da jovem. Quatro anos depois, o caminho deles se cruza novamente e ele vai ter que convencê-la que o romance deles pode finalmente dar certo. Apesar desse grande sentimento, ela o vê apenas como um amigo e ele precisará decidir se vai abrir seu coração para ela.

Aliás, a franquia literária de Bridgerton acompanha a família durante vários anos, por isso alguns personagens jovens no começo da história vão amadurecendo durante os livros. Esse é o caso de Francesca Bridgerton, por exemplo, uma adolescente durante a primeira temporada, que deve ganhar mais destaque se a série tiver muitos anos.


A história de Hyacinth – Um Beijo Inesquecível
Bridgerton
Hyacinth Bridgerton, série da Netflix

Hyacinth conhece Gareth St. Clair em um recital, mas resiste no primeiro encontro. Tudo isso chama a atenção de Gareth St. Clair, que está cheio de problemas pessoais e precisa da ajuda de Hyacinth para desvendar os segredos de sua família, escritos em italiano em um diário.

Sobretudo, outra personagem que cresce bastante durante os livros é Hyacinth, que é só uma criança na primeira temporada da série. No sétimo livro, ela mostra que tem bastante personalidade: é inteligente, fala o que pensa e é, ao mesmo tempo, totalmente encantadora.


A história de Gregory – A Caminho do Altar
Bridgerton
Gregory Bridgerton, série da Netflix

Gregory Bridgerton, o último dos oito irmãos, recebe a ajuda de Lucinda Abernathy para conquistar a mulher de sua vida. Mas, claro, ela acaba se apaixonando pelo rapaz. Só falta ele perceber as reais intenções da falsa cúpida. No entanto, Gregory acaba entrando em um confuso triângulo amoroso entre ele, Hermione Watson e Lucy Abernathy, que o fará rever seus conceitos e apostar tudo para ficar com a “pessoa certa”.

O oitavo livro da franquia foca no caçula da família, Gregory, mostrado ainda criança na produção da Netflix. Diferente de outros homens de sua época, ele acredita no amor verdadeiro e tem certeza que terá um momento de “amor à primeira vista” quando encontrar a mulher certa. 


E Viveram Felizes para Sempre 

Por fim, o último livro da série traz oito epílogos extras respondendo os principais questionamentos que a autora recebeu depois de publicar as histórias de amor de todos os irmãos Bridgerton. É, basicamente, contando o que acontece depois “viveram felizes para sempre.”

Se a segunda parte for lançada, dificilmente chegará antes do final de 2021, mas para o ano que vem parece promissor, não é? Vamos ficar aguardando!

Bridgerton: é o guia para uma curta aula de história da moda

Bridgerton
Netflix: série Bridgerton. ©Cortesia da Netflix.

Bridgerton, a nova série da Netflix, está para ser lançada e esses são os fatos que você deveria saber sobre a moda da época e curtir seu guarda-roupa. Na série, inspirada nos romances de Julia Quinn, o esplendor do estilo do final do século 18 e o início do século 19 é retratado primorosamente, tal qual, dando aquele toque extra de fantasia, opulência e nostalgia a um drama que já nos fisgou desde a primeira imagem lançada.

Vamos fazer uma breve revisão da história da moda, dessa forma, um guia básico que nos permita desfrutar plenamente das vestimentas, dos penteados, dos acessórios e da forma como a moda definiu essas décadas históricas, e com isso, viver a experiência Bridgerton em sua totalidade.

Bridgerton
Joias e vestidos neoclássicos serão constantes em Bridgerton. ©Liam Daniel/Netflix.
Que épocas da moda iremos explorar na série Bridgerton?

Ao observar os detalhes das vestimentas podemos presumir que é o período da moda ao estilo Império (1800-1815) que governado na alta sociedade britânica. Porém, observando algumas imagens divulgadas, podemos intuir que os personagens mais adultos retêm detalhes da moda neoclássica (1785-1795) que se veem na pompa e nos excessos de suas vestimentas. Relacionando essas duas etapas, podemos deduzir que, sem dúvida, veremos uma forte presença da moda do Diretório, que foi instituído entre aproximadamente 1795 e 1800.

Bridgerton
A moda império. ©Liam Daniel /Netflix.
Quais detalhes se destacam da moda neoclássica?

Como mencionamos nos parágrafos anteriores, a moda neoclássica se destaca nos personagens mais antigos da série. Desta fase da moda, marcada pela Revolução Francesa, é herdado um pouco daquela suntuosidade que caracterizou a corte francesa. Na Inglaterra, o vestido ao estilo inglês – com estampa luxuosa, mas menos detalhes Rococó – é a grande referência de estilo.

Bridgerton
A moda neoclássica. ©Liam Daniel/Netflix.

As mangas compridas continuam a ser usadas, assim como as mangas, como costumamos chamá-las, sempre garantindo detalhes em renda que lembram a moda de Luís XVI, mas reduzindo a teatralidade. Na parte do decote, a cintura começa a subir, preparando a transição para a moda Império, da qual tomará o nome de vestido de corte império, o mesmo dos protagonistas de Bridgerton.

Na área dos cabelos, os penteados são largos e extravagantes (estilo Maria Antonieta). Nesta época, também era comum o uso de cabelos empoados, ou seja, que nada mais eram que cabelos cobertos de um tipo de pó branco, que lhe conferiria uma aparência acinzentada, volume, e maior garantia na fixação de penteados. A maquiagem continua em tom branco, herança da estética Versalhes, também era um diferencial de status, pois somente mulheres afortunadas podiam usar blush vermelho intenso nas bochechas.

Por que é importante conhecer a Moda do Diretório em Bridgerton?

Neste período de transição da moda falamos de dois elementos essenciais: a simplicidade e a liberdade, dois aspectos que se destacaram no final do século XIX com a descoberta e revalorização da cultura grega e que é imperativo saber compreender a evolução do estilo na série Bridgerton.

À moda do Diretório, o design torna-se mais simplista, preconizando a liberação do corpo, a começar pela eliminação do espartilho nos vestidos, a eliminação das crinolinas e o desuso do chato acolchoado nas saias ou vestidos.

Os vestidos ficam leves, com cintura alta, ou melhor, corte império. Nesse período de transição para a moda do estilo Império, a partir de 1800 mangas curtas, tornaram-se mais típicas, inicialmente às vezes transparentes, como no Portrait of Madame Récamier (1800), de David. O estilo evoluiu através da era napoleônica até o início da década de 1820, tornando-se gradualmente menos simples, após o qual os estilos vitorianos de ampulheta se tornaram mais populares, enfim. A forma dos vestidos também ajudou a prolongar a aparência do corpo. A roupa também pode ser usada para maximizar o busto. Além disso, fita, faixa e outras características decorativas foram usadas para destacar a linha da cintura.

Os vestidos de império eram muitas vezes com decote baixo e mangas curtas e, além disso, as mulheres costumavam usá-los como vestidos de noite. Por outro lado, os vestidos de dia tinham decote maior e mangas compridas. Embora houvesse diferenças entre vestidos de dia e vestidos de noite, contudo, a cintura alta não foi alterada.

Penteados com diversos adornos. ©Cortesia da Netflix.

Antes de mais nada, os penteados eram clássicos mais curtos, quando possível com cachos, eram menos controversos e muito amplamente adotados, e os cabelos descobertos mesmo ao ar livre. Porém, fitas eram usados ​​para amarrar ou decorar o cabelo, plumas de avestruz e também flores eram usados nos penteados. Durante esse período, a influência clássica se estendeu aos penteados. Frequentemente, as madeixas faziam alguns fios com cachos e, ás vezes, os cabelos eram compridos enrolados e soltos – influenciados pelos estilos grego e romano.

Quais são os elementos da moda estilo Império que veremos em Bridgerton?

Em primeiro lugar, este será o “ponto alto” do estilo que observaremos em Bridgerton. Desde já, o estilo Império em toda sua glória e sua transição para o estilo Regência tomam conta da lente da câmera com sua silhueta característica que acentua o peito e o decora com detalhes sutis. Assim também, capas chegam para complementar os vestidos, assim como os mantos e os casacos longos. Aliás, as mangas ainda são curtas, embora existam algumas variações para o vestido de baile com mangas compridas e bufantes.

Bridgerton, 2020. ©Cortesia da Netflix.

Uma das variações com o período do Diretório é a inclusão de penas, plumas, adornos de cabelos e exotismo nas joias. Elas mantinham os cabelos compridos e algumas mulheres mais ousadas optam por cortá-lo curto. Por último, os cachos são usados ​​da melhor maneira possível, permitindo que brinquem com a sua natureza em penteados sofisticados, mas livres .

A contagem regressiva já começou, a nova série da Netflix. Enfim, data é revelada, 25 de dezembro, uma data perfeita para iniciar a maratona de uma das tramas que ele garante nos levará aos romances dos séculos passados.

10 séries mais assistidas de 2020 na Netflix

Séries mais assistidas de 2020 na Netflix (Foto/Divulgação: Netflix)

Alguém poderia traçar o curso deste ano acompanhando as estreias da Netflix? Em 2020, quando o mundo foi virado de cabeça para baixo pela pandemia e as pessoas foram forçadas a ficar em casa, os dias, semanas e meses pareciam se fundir em uma jornada sem fim – muitas vezes a única coisa que parecia. Algumas semanas antes do final do ano, decidimos revisar os 10 lançamentos da Netflix que nos fizeram rir, chorar e lutar ao longo de 2020.


Ratched, 2020 (Foto/Divulgação: Netflix)
Ratched

Ratched é uma série dramática de suspense que conta a história da origem da enfermeira de asilo Mildred Ratched. Em 1947, Mildred chega ao norte da Califórnia para procurar emprego em um importante hospital psiquiátrico, onde novos e inquietantes experimentos começaram na mente humana. Em uma missão clandestina, Mildred se apresenta como a imagem perfeita do que uma enfermeira dedicada deve ser, mas as rodas estão sempre girando e quando ela começa a se infiltrar no sistema de saúde mental e nas pessoas dentro dele, o exterior elegante de Mildred esconde uma escuridão crescente que há muito tempo está ardendo por dentro, revelando que verdadeiros monstros são feitos, não nascem. Em pouco tempo, a série já pode se considerar como um dos maiores sucessos da Netflix, já que detém o título de produção seriada mais assistida da plataforma neste ano. Não precisamos dizer mais nada, não é mesmo?


Nada, Ortodoxa 2020 (Foto/Divulgação: Netflix)
Nada Ortodoxa

A produção conta a história de uma jovem judia que abandona a comunidade ultra-ortodoxa de Williamsburg, Nova York. Para aqueles que, como eu, conhecem praticamente nada além dos estereótipos da religião judaica, a série germano-americana de quatro episódios é um encantador choque de realidade e uma oportunidade para conhecer mais os detalhes das tradições culturais herdadas pelos judeus. A atenção aos detalhes é admirável na forma como retrata as tradições que ditaram sua vida anterior, enquanto a protagonista faz o possível para se livrar delas. As atuações são o ponto forte da narrativa e mostram que a série pode ser considerada como uma das melhores lançadas neste ano.



Eu nunca…, 2020 (Foto/Divulgação: Netflix)
Eu nunca…

A trama acompanha Devi (Maitreyi Ramakrishnan), uma jovem de origem indiana que vai morar nos EUA com os pais no início dos anos 2000. Atualmente na escola, ele vive todos os dramas já conhecidos do período: sente que não se encaixa; faz parte do grupo dos “nerds” ao lado das amigas Fabiola (Lee Rodriguez) e Eleanor (Ramona Young); tem um rival que vive competindo com ela pelas melhores notas e está apaixonada pelo garoto mais lindo da escola, que parece totalmente inalcançável. Todos esses pontos são comuns em histórias do gênero, mas o diferencial de Eu Nunca… é a forma real com que a série os trata. Ele contém cenas de festa ultrajantes, rotinas de dança TikTok e uma série de pontos arrebatadores.


The Umbrella Academy, 2020 (Foto/Divulgação: Netflix)
The Umbrella Academy

Antes de falecer, o milionário Sir Reginald Hargreeves adotou sete crianças a fim de treiná-las para combater o mal. Depois que ele morre misteriosamente, esses jovens habilidosos unem suas forças para seguir o caminho para o qual seu pai adotivo os criou e acabam se envolvendo em um mundo muito mais perigoso do que eles imaginavam ser possível.


Netflix
Desejo Sombrio, 2020 (Foto/Divulgação: Netflix)
Desejo Sombrio

O seriado é estrelado por Maite Perroni, mexicana conhecida por ter interpretado Lupita em Rebelde. Veja o trailer acima. Na trama, Alma (Perroni) suspeita de traição por seu marido, e decide se envolver com Dario (Alejandro Speitzer), rapaz de metade da sua idade. Segundo a sinopse, após uma noite com Dario, “um acontecimento trágico faz com que ela comece a desconfiar de todos ao seu redor.” O projeto é criação é de Leticia López Margalli, que também escreveu filmes como Não Aceitamos Devoluções (2013) e Las Aparicio (2015).


Netflix
Bom dia, Verônica 2020 (Foto/Divulgação: Netflix)
Bom Dia, Verônica

É baseada em um romance homônimo escrito por Raphael Montes e Ilana Casoy. A série será dirigida por José Henrique Fonseca (Heleno) com produção da Zola Filmes. A série Verônica Torres (Tainá Müller), que trabalha como escrivã na delegacia de Homicídios de São Paulo, onde vive uma rotina burocrática e pouco dinâmica dentro do sistema. Casada e mãe de dois filhos, ela se vê diante do abismo quando presencia um suicídio que acaba por despertar nela dolorosas feridas do passado. Na mesma semana, recebe a ligação anônima de uma mulher desesperada clamando por sua vida. Determinada, Verônica decide usar toda sua habilidade investigativa para mergulhar nos casos das duas vítimas: uma jovem enganada por um golpista na internet, e Janete (Camila Morgado), a esposa subjugada de Brandão (Eduardo Moscovis), policial de alta patente e um homem dominador. Ao se aprofundar nessas investigações, Verônica irá enfrentar um mundo perverso que coloca em risco sua família e sua própria existência.



Netflix
Emily in Paris, 2020 (Foto/Divulgação: Netflix)
Emily in Paris

A produção se tornou a mais vista da gigante do streaming no Brasil e em vários lugares no mundo todo. E não faltam motivos para explicar tanto sucesso: desde a leveza da trama e até a duração dos episódios. “Emily em Paris” é sobre Emily Cooper (Lily Collins), que consegue o emprego dos sonhos em Paris, deixando para trás a vida que levava em Chicago e procurando realizar seus sonhos, ainda que os obstáculos tornem tudo ainda mais difícil. Apesar da sinopse clichê, a série original da Netflix presenteia os usuários do streaming com muita leveza, encantando desde os primeiros cenários, os looks da protagonista estilo “O Diabo Veste Prada” e suas aventuras cheias de emoção. Além de ter Lily Collins como a protagonista, a série também foi criada por Darren Star, o responsável por “Sex and the City”.


netflix
Gambito da Rainha, 2020 (Foto/Divulgação: Netflix)
Gambito da Rainha

A série cativante criada por Scott Frank e Allan Scott retrata a jornada de uma jogadora de xadrez prodígio ao topo enquanto ela luta sozinha contra o vício de sedativos. Baseado no livro homônimo de Walter Trevis. Conta a história de Elizabeth Harmon (Anya Taylor-Joy), uma jovem que sobrevive ao acidente de carro que resulta na morte da sua mãe, e conhece o xadrez durante sua estadia em um orfanato, revelando, desde pequena, uma habilidade fora de série. Recontando sua vida da infância até a maturidade e passando por diversos campeonatos regionais e internacionais, a série diverte o espectador mesmo com jogadas previsíveis, apostando na adrenalina bem construída das partidas de xadrez, e investindo em personagens carismáticos, como os enxadristas Harry Beltik (Harry Melling) e Benny Watts (Thomas Brodie-Sangster).


Netflix
Dash e Lily, 2020 (Foto/Divulgação: Netflix)
Dash & Lily

Se você está procurando uma história curta, fofa, empolgante e descontraída, Dash & Lily é a opção ideal para você fazer uma maratona rápida e divertida. A nova série da Netflix é um quentinho no coração para os apaixonados por produções que se passam no fim de ano, além de trazer uma trama divertida e apaixonante. Baseada no livro O Caderninho de Desafios de Dash & Lily, dos autores Rachel Cohn e David Levithan, na trama, um romance de Natal se inicia quando o cínico Dash e a otimista Lily trocam desafios, sonhos e desejos em um caderno que enviam um ao outro por diferentes lugares de Nova Iorque, e descobrem que têm mais coisas em comum do que imaginavam.



Netflix
The Crown/Princesa Diana, 2020 (Foto/Divulgação: Netflix)
The Crown

A quarta temporada de The Crown já pode ser considerada a mais polêmica da série até agora. Isso porque os novos episódios trazem duas figuras importantes – Lady Diana e Margaret Thatcher – e abordam um período conturbadora realeza, incluindo o fracassado casamento de Charles e Diana.  Uma incrível jornada pelos arcanos da política, intrigas palacianas e muitos confrontos dilacerantes. No entanto, embora seja inspirada em fatos, a nova temporada toma algumas liberdades narrativas (como já aconteceu anteriormente) para movimentar a trama e deixar o conteúdo mais “atrativo” para os fãs.

Gostou da nossa matéria? Acompanhe no Pinterest e Instagram para ver mais conteúdos.

25 curiosidades sobre o filme “As Patricinhas de Beverly Hills”

25 curiosidades sobre o filme “As Patricinhas de Beverly Hills”

Um dos filmes mais adorados pelos jovens na década de 90’s é As Patricinhas de Beverly Hills ou seu nome original Clueless (título em inglês) e que completou 25 anos de sua estreia, no mês passado… Melhor ainda, foi lançado lá fora um livro que conta várias curiosidades sobre o longa: Clueless – As If!: The Oral History of Clueless as Told by Amy Heckerling, the Cast, and the Crew!, que está cheio de memórias do elenco, produção e todo mundo envolvido nas filmagens.

Antes de mais nada, para quem é fã de “As Patricinhas de Beverly Hills” e adora a fashion Cher (Alicia Silverstone) e suas amigas e companhia, aqui estão 25 curiosidades sobre a comédia que se tornou um dos filmes clássicos dos anos 90! Veja só, algumas delas:

1. O filme foi filmado em 40 dias. O filme teve uma excelente pré-produção o que fez com que ele fosse gravado rapidamente. Foram apenas 40 dias de gravações. É bom lembrar que o filme não depende de muitos cenários caros, apenas uma escola e grandes mansões, o que facilitou a gravação do mesmo.

2. Reese Witherspoon poderia ter interpretado a popular Cher, depois que a atriz Sarah Michelle Gellar teve que desistir do projeto, mas o papel acabou nas mãos de Alicia Silverstone.

25 curiosidades sobre o filme “As Patricinhas de Beverly Hills”

3. Alicia parece ter nascido para interpretar Cher, aliás a diretora também acha isso. Porém, a diretora Amy Heckerling – logo que viu Alicia Silverstone nos clipes da banda Aerosmith e encantou-se e quis de qualquer jeito a atriz no papel, e não pensou em outra pessoa desde então. Ela apenas marcou um almoço com a atriz e aí tivemos o nascimento de Cher.

4. As Patricinhas de Beverlly HillsClueless, em inglês, originalmente iria se chamar No Worries e seria um filme para a TV.

5. A escola utilizada para a gravação do filme foi uma escola encontrada em Beverly Hills. O mais engraçado é que Alicia Silverstone e Breckin Meyer (Travis) estudaram naquela escola, o que facilitou a atuação. Eles só precisavam lembrar dos seus tempos de escola para viverem como adolescentes.

6. A diretora nos entregou um bom material, principalmente se você está tentando agradar adolescentes. Até voltou a escola para ficar mais inspirada na hora de dirigir o filme. Além disso, diretora Amy Heckerling faz uma ponta no final como dama de honra da professora Geist.

7. A cena em que Cher, Dionne e Murray estão desesperados e gritando no carro, foi totalmente inspirada em Amy Heckerling, a diretora do filme. Aparentemente, Amy também fica muito nervosa quando está no volante. Ela sempre acaba gritando quando se vê em uma situação de muita pressão.

25 curiosidades sobre o filme “As Patricinhas de Beverly Hills”



8. Se você for mais atento para a troca de figurino e ter papel e caneta em mãos, provavelmente ver um número surpreendente. De acordo com a produção do filme, foram 63 roupas diferentes, mesmo que o conjuntinho amarelo xadrez tenha ficado no coração de muitas garotas nos anos 90.

9. Alicia Silverstone, aliás, ficou com todas as peças que usou no filme, mas hoje confessa que “não fui muito boa em guardá-las, fui boba e acabei dando tudo com o passar do tempo”.

10. O orçamento para o figurino era de US$ 200 mil, o que hoje é nada para uma produção onde a moda é tão importante. (o filme é de 1995, só pra ressaltar!)

11. O mais interessante é que esse foi o primeiro trabalho de Mona May, que se consagraria nessa profissão, cuidando do figurino de diversos outros filmes e séries, como, Encantada (2007), Santa Clatira Diet (2017) e Esposa de Mentirinha (2011).

25 curiosidades sobre o filme “As Patricinhas de Beverly Hills”

12. O famoso conjuntinho xadrez amarelo da Cher é um Jean Paul Gaultier que deu o maior trabalho para achar, mas assim que entrou em cena virou um favorito! “Nós provavelmente tentamos umas 15 roupas diferentes. Todas com estampa xadrez, eram vestidinhos, macaquinhos, coisas diferentes. Quando colocamos o amarelo foi ‘Uau, é esse!’”, conta Mona May, diretora de figurino.

13. Aliás, até a ideia de citar grandes estilistas como Calvin Klein e Azzedine Alaïa já vinha desde a produção do roteiro – o que foi uma escolha ótima, já que deu credibilidade ao filme e ainda aos estilistas, que continuam firmes e fortes até hoje fazendo sucesso (fica ligada nas semanas internacionais que já estão rolando que eles aparecem!).

25 curiosidades sobre o filme “As Patricinhas de Beverly Hills”

14. O closet computadorizado da Cher foi inspirado pela Victoria’s Secret e foi filmado na casa da piscina, separada da casa principal onde As patricinhas… foi rodado. “Nós pintamos o quarto de pink com listras brancas, basicamente pensando na caixa da Victoria’s Secret”, contou uma produtora do filme.

15. Antes de mais nada, durante o filme, são usados 53 tipos diferentes de xadrez, sendo sete usados por Cher, e doze por outros personagens principais.

16. E falando nos estilistas, sabia que naquela época eles mal ajudavam com o figurino? “Era meio que ‘faça você mesmo’. Não é como agora. Um terço das roupas foram feitas por nós, outro terço recebemos e depois compramos. Então, barganhamos em lojas de luxo, em brechós e o que não conseguíamos achar, nós fizemos”. Mas aquele terninho amarelo da Cher era Jean Paul Gaultier original, tá! “Nós fomos na loja e compramos”.

17. As meias over the knee do figurino foram inspiradas no musical Cabaret“Quando vi Liza Minnelli em cena cantando com um shortinho preto e as tais meias, pensei ‘essa é a melhor roupa que uma garota poderia usar, sempre’”, lembrou a diretora.

25 curiosidades sobre o filme “As Patricinhas de Beverly Hills”

18. Paul Rudd usou muitas roupas de seu próprio guarda-roupa para compor seu personagem, como a camiseta da Anistia Internacional.

19. Paul Rudd comprou para todo mundo um colar com seus nomes escritos em um grão de arroz – quando a filmagem acabou. O ator comentou que, “foi o pior presente”, de acordo com o livro… Atitude muito fofa, vai?

20. Um dia antes de filmar a cena da festa Bosstones, Paul Rudd foi assaltado: “O tiro passou ao lado da minha cabeça, e eles levaram minha mochila, discman e um roteiro de Clueless”, lembra.

As Patricinhas de Beverly Hills

21. Em 2006, o filme entrou para a lista da revista Entertainment Weekly como o sétimo melhor filme sobre high school de todos os tempos.

22. Para a cena do party game “suck and blow” (aquele de passar cartas de baralho de um para o outro usando a boca) o elenco usou lipgloss extra-grudento para funcionar!

23. Sabe quando Cher argumenta a favor de abrir as fronteiras dos EUA para os haitianos? Em seguida, ela fala a palavra “haitianos” errado, mas sem perceber. Mas antes que os produtores pudessem correr e corrigi-la, Heckerling falou para deixarem passar. “Eu tive que pará-los”, ela lembra. “Era muito mais engraçado do jeito que ela falou. Aquilo era a Cher”.

24. Não, não foi um spin-off do filme. No começo dos anos 90, a 20th Century Fox estava comprando uma sitcom sobre adolescentes descolados, e Heckerling escreveu um rascunho sobre o seriado, junto com o eventual produtor de “As Patricinhas de Beverly Hills”. Mas a Fox ficou com medo de que ninguém fosse se interessar por um seriado com tantas meninas, então a diretora voltou à estaca zero e escreveu o rascunho do que seria o roteiro do filme.

25. O filme “As Patricinhas de Beverly Hills” é baseado no romance de Jane Austen, “Emma”. A protagonista da história, Emma Woodhouse, assim como Cher, é uma jovem rica, bonita, mimada e órfã de mãe, que adora interferir na vida, sobretudo amorosa, das pessoas que a cercam.

Obs.: Aliás, ficou com vontade de assistir?! Você pode ver na Netflix!

Gostou da nossa matéria? Acompanhe no Pinterest e Instagram para ver mais conteúdos.