Um amor de barzinho

texto372Sentei em uma mesa em um barzinho de esquina bem social, não tinha quase ninguém bebendo a maioria das pessoas estava apenas conversando. Achei melhor sentar bem no canto aonde eu pudesse ficar sozinha. Logo que você entrou no bar a maioria das mulheres ficaram te olhando. Você sentou a mesa do meu lado a minha direita. Eu estava conversando com um grupo de amigas pelo Whatsapp, não conseguia presta atenção no que elas estavam falando. Era algo sobre o menino que uma delas estava afim, já estava ficando com outra menina. Acho que era esse o assunto que estava rolando no grupo, não tinha muito importância.

Você pediu vodka com limão e muito gelo, sim, eu estava prestando muita atenção em tudo que você fazia, era algo irresistível, eu não conseguir para de olhar pra você. Com essa pintar de ator americano com barba por fazer e de terno. Você pegou um cigarro e logo colocou na boca. Ai Jesus ele fumar. Nada contra quem fumar, só penso que é tão prejudicial à saúde. Mas deixar pra lá. Você ficar tão “sexy” fumando. Deu apenas três tragadas e já colocou o cigarro dentro do cinzeiro.

O garçom chegou com sua vodka. E você olhou em minha direção deu um leve sorriso. Ai meu Deus, será que ele sorriu pra mim? E me veio àquela leve paranoia e se ele sorriu pra mim ou para as paredes? Vai que ele é dessas pessoas que sorrir por qualquer coisa. Não eu não queria criar uma ilusão em imaginar que ele sorriu pra mim. Ele é apenas um desconhecido que eu nunca vi em minha vida, e não posso me apaixonar por uma pessoa que eu não sei nem o nome. Eu queria sabe seu tipo sanguíneo, descobrir qual o seu signo para ver ser nós dois combinamos. Eu queria apenas descobrir quem é você.

Entro dentro do bar uma mulher alta e loira, parecia que o rosto dela resplandecia de tão linda e ela foi em sua direção e o comprimento. Sentou lá na frente em outra mesa, por um instante pensei que fosse sua namorada, mas logo me veio aquele alívio. Ufa! Pior do que se apaixonar por um desconhecido é ver que ele tem uma namorada. Acabar com todas possibilidades que existia.

Algo caiu no meu pé quando olhei era caneta que você estava procurando. Eu me agachei e peguei. Não sabia o que dizer. Se eu gaguejar na hora  de falar. Respirei fundo e dizer.

Moço sua caneta.

Obrigado.

Como a voz dele é linda era igual uma melodia. Eu deveria ter puxado papo. Poderia ter dito algo sobre a caneta dele. Deus, como sou idiota. Porque não perguntei o nome dele? Não ele ia me achar muito atirada. Ele se levantou guardou todos os papéis que estava escrevendo dentro da pasta. E olhou para mim e sorriu. Nunca tinha visto um sorriso tão lindo assim.

Deixou o dinheiro em cima da mesa e um papel. Quando o garçom chegou até a mesa abriu o papel e leu. O garçom veio na minha direção e me entrego o papel que ele tinha escrito. Abrir o papel e estava escrito.

Por favor, seu garçom entregue esse papel para a moça sentada a mesa a minha direita. “Não consegui deixar de ter olhar. Desculpe-me, se na hora que você me entregou a caneta eu fui rude com você. São problemas no trabalho. Quem sabe um dia a gente não se encontrar por aí”. Peguei aquele pedaço de papel e guardei dentro da minha bolsa. Por que ele não colocou o nome, endereço, número do seu celular?

Estava tão distraída que nem vi que a Alemanha tinha ganhado a copa do mundo. Várias pessoas no bar comemorando. Eu ali parada não sabia o que fazer. Estava apaixonada por um desconhecido, que talvez nunca mais ia ver em minha vida. Alguns dias depois. Fui naquele mesmo barzinho na esperança de te ver. Olhei para toda direção no bar e não te vi. Fiquei sentada no balcão, pedir apenas uma água, tava tocando Ellie Goulding. A porta do bar abriu e fazia muito frio. Era noite de quinta feira. Quando eu olhei logo reconheci. Era você.

Você sentou ao meu lado no balcão. Sorriu pra mim. Eu não sabia o que fazer. Eu apenas dei um sorriso de lado. Você colocou as suas mãos sobre as minhas. E falou bem baixinho “eu não disse que um dia a gente ia ser encontrar?”. Eu apenas olhei em seus olhos e sorrir.


Comentar via Facebook

Comentário(s)

11 comentários sobre “Um amor de barzinho

  1. Ana Beatriz disse:

    Adorei o pequeno conto. Muito bom mesmo, e romântico de um jeito nada clichê.
    Eu de vez em quando encontro desconhecidos na rua que me fazem quase ficar apaixonada, sério. Acontece às vezes quando eu ando de metrô no Rio de Janeiro! Sempre fico imaginando tudo sobre a vida da pessoa.
    Pena que você nunca mais vai ver ela…
    Beijos

    • Dose de Ilusão disse:

      Fico muito feliz que tenha gostado Ana<3! Eu também já me apaixone por desconhecidos, o que eu me lembro recentemente (não tão recente) foi um que eu vi no super mercado, e o pior nunca mais vi, isso sempre acontece comigo!
      Beijinhos;*

  2. Oiii Lindona, que demais esse texto!!!
    Sério, você escreve muito bem 🙂
    Um beijão ♥

    http://www.garotaurbana.com.br

  3. tainaramallet disse:

    Adorei o texto muito lindo esse amores sabe desconhecidos que acontecem por acasso ..
    adorei beijos Tainara

    http://loucaapaixonada22.blogspot.com.br/

  4. Amanda Peruzzi disse:

    Amei teu conto, muito lindo! Tu escreve muito bem gatinha!

    Beijos,
    Papo de Garota | Fã Page.

  5. Aiiii que lindo! E que caneta maravilhosa rs
    Adorei! 🙂
    Beijo no bolso! ♡
    Tô Barata, mas tô na moda! | Facebook | Twitter

  6. Lívia Alli disse:

    menina, vc é mt boa escritora! adorei o texto!

    http://www.tofucolorido.blogspot.com
    insta:liviaalli

Deixe uma resposta