Quando a gente se perde

texto-amor-por-acasoJá se passava da meia noite a estação do metrô estava completamente vazia. Havia algumas pessoas sentadas no banco esperando o último trem. Ela era uma garota do interior, estava sentada no banco sozinha com uma mochila nas costas e um fone de ouvido. Seus olhos estavam inchados de tanto chorar. Ela queria ir embora daquele lugar. O trem já deveria estar lá, porém, insegurança dos olhos prendia no trilho. Talvez devesse ficar. Só que ela sabia que não pertencia aquele lugar. Mesmo ela desejando pode fazer parte de tudo aquilo. Mas que razão havia para permanecer entre o nada? Sabia que sua família e amigos ficaram para trás. Só que ela não pertencia a nada daquilo. Encostou sua cabeça na janela. Fechou os olhos. Lágrimas escorrem. Sentia um aperto tão grande no seu coração. O trem parou na estação da capital. De repente um rapaz com um mochila nas costas sentou-se do seu lado. Os dois se olharam. Ela desviou os olhos dele, ele continuava a observando. Tirou de dentro da mochila um lenço. E, em seguida, disse algo.

– Aceita esse lenço, moça? – disse ele, enquanto segurava aquele lenço preto nas mãos.

Ela ficou sem reação, quando viu aquele lenço em suas mãos. Não sabia se pegava ou ignorava. Ela pegou o lenço sem olhar para ele, sem dizer nada, apenas aceitou.

– Vai pra onde? – Perguntou ele, enquanto observava ela enxugando as lágrimas.

– Qualquer lugar que o mundo puder me levar. – Ela disse em seguida, com a voz embargada, querendo que aquela conversa não se alongasse. Ela só queria tem um momento dela. Não queria ouvir ninguém. E muito menos um desconhecido.

– Porém, o mundo é tão grande… Tenho certeza, que você procurar algum lugar no horizonte. Cada um de nós procurar, apenas poucos consegue encontrar, o seu lugar ao sol.

– Parece que você gosta de decifrar as pessoas? – Ela perguntou confusa.

– Eu vejo o que só a alma consegue enxergar. Eu vejo tristeza no seu olhar. – Ele disse aquilo em conto olhava pela janela do trem.

– E o que mais você vê?

– Eu vejo o amor entre seus olhos. Eu vejo alguém que tem vontade de abraça o mundo. Alguém que está fugindo dos problemas. Eu me vejo em você.

Ele ficou observando o chão pra não te que olhar nos olhos dela. Ela ficou sem reação não sabia o que dizer. Tinha encontrado alguém que estava fugindo dos problemas da vida igual ela.

Em meio a tanta confusão da vida. Sentiu como se tivesse encontrado o amor.

Em seguida, ela sorriu pra ele. – Estou cansada das pessoas não me compreender. Quero apenas poder viver. Sem rotina, sem paradigmas. Já que o mundo é tão grande. Eu quero me perder nele.

Foi quando o trem parou na estação. Ela tinha chegado à cidade que queria(…) ou quem sabe em uma das cidades. Eles não tinham visto o tanto que o tempo passou rápido. Ele pegou sua mochila no chão, enquanto ela descia do trem. De repente sentiu alguém segurando a sua mão. Quando olhou para trás, era ele. Antes dela dizer algo, ele falou sem esperar.

– Dizem que quando a gente se perde, a gente se encontra. Deixa eu perder junto com você? – Ele continuou segurando a mão dela. Ele sentia que ela era especial. Ela olhou para ele e sorriu. Continuaram segurando a mão um do outro. Dava pra ver apenas suas sombras, os dois foram sumindo em meio aquela multidão.

Não sei como essa história termina, só sei, que ela começou…