Sorria para a vida

texto283É muito fácil dizer que tudo passa. Que um dia as coisas mudam. Ou que o tempo é o melhor remédio. Quero ver é fazer passar. Quero ver é querer mudar. Quero ver é deixar o tempo curar. Ouço choros silenciosos. Leio tristezas com erros de português e de vida. Presencio inúmeros amores que não são para serem amores.. Pior é quando vejo pessoas deixando um ‘não’ abalar tão profundamente suas vidas. O ser humano anda com uma carga muito baixa de amor próprio e um frasco de autoconfiança completamente vazio.

Que mania é essa de sofrer a qualquer custo, por qualquer motivo, por qualquer pessoa? Que péssimo hábito é esse de abaixar a cabeça para a primeira voz alta que te barra no caminho? Ei moça. Ei rapaz, o mundo é dos que se impõem. Dos que se atrevem. Dos que querem. Dos que lutam. Dos que debatem. Dos que enfrentam.

Levanta dessa cadeira do desgosto. Inclina a coluna e corrige essa postura. Eleva o teu nariz e bate firme com o pé no chão para a areia cair do sapato. Talvez você ainda esteja na metade da metade da vida e está vivendo – por vontade própria – como alguém que já está no fim. Ou não. Pois até mesmo os donos de cabelos brancos com pele cheia de linhas sabem aproveitar o pouco tempo que lhe resta. E quer saber por quê? Porque eles sorriem. E riem alto. Dão gargalhadas que lhe tiram lágrimas dos olhos em virtude de histórias bem vividas no seu passado. Já pensou em fazer o mesmo?

Quantas vezes você finge sorrir durante o dia? Quantas vezes você rir sem descolar os lábios? E quantas vezes você dá gargalhadas que queimam o estômago e são livres como o vento? Acho que deverias acrescentar o riso no seu dia-a-dia com mais frequência. Uma gargalhada tem o poder de mudar o seu dia muito mais do que uma mensagem de texto que você cria expectativas frustradas e não vem com as palavras que você gostaria de ter lido.

Abra os braços. Sinta o vento no rosto. Diga bom dia ao dia e faça-o ser bom. Faça um carinho na cabeça de um cachorro. Olhe-se no espelho e enxergue a pessoa linda que há em você. Abra as janelas desse quarto abafado. Deixe o sol entrar. Caminhe com mais firmeza. Sorria para a vida.

Amores vão e vem. Uns doem mais, outros nem. Oportunidades voam como pássaros, abra os braços e abrace as que lhe convém. De onde saiu um “não”, pode sair um “sim” também. Se há espaço para mais um no coração da sua mãe, com certeza há no seu também. Dê valor aos benefícios que você possui e viva bem.

Sobre o autor: Colaborado no blog da Isabela Freitas. Wesley Néry, mas pode chamar de Wes. Tem 19 anos, nasceu, vive em Manaus, e sonha em bater as asas em breve. Canceriano, perfeccionista, sonhador e um ótimo ouvinte. Desabafa pelos dedos no Word ou em qualquer linha torta que estiver mais próxima apenas pelo prazer de brincar com as palavras.

TCHAU, ATÉ NUNCA MAIS!

texto87 Você sabia, sabia sim. Sabia que mais cedo ou mais tarde eu bateria na porta da sua casa dizendo que não aguentava mais de saudade. Sabia que o amor que eu sentia por você era maior do que qualquer outra coisa. Eu não tinha um pingo de amor próprio e isso era seu maior trunfo. Você sabia que eu assumiria a culpa por todos os erros – até dos seus – e por todas às vezes em que terminei com você por impulso. Devia saber até, do vestido que escolheria para esse dia. Aquele preto, do nosso primeiro beijo. Você deve ter passado noites imaginando o mês que eu iria escolher para tomar essa atitude. Se me sentiria carente no inverno ou se iria desejar seu calor no meu verão. Deve ter ensaiado diálogos imaginários em frente ao espelho e relembrado diversas vezes os motivos que nos separaram – afinal, teria que dizer todos eles mais uma vez na minha cara para me fazer sentir culpada, de novo. E eu, como sempre, pediria desculpa por tudo, pois só assim conseguiria ter você ao meu lado mais uma vez.

Esperar cansa, né? Mas tudo bem, sei que você é paciente. Imagino que você deva ter me visto com outros caras e pensado que era mais um daqueles meus joguinhos de vingança, ora, eu jamais te trocaria, você é insubstituível, né? Deve ter visto meu sorriso e não soube distinguir se era verdadeiro ou se escondia as lágrimas que só tenho coragem de chorar em meu quarto. Deve ter se relacionado com outras garotas e sentido um pouco a minha falta, porque convenhamos você não é um cara fácil e comigo não tinha tempo ruim. Deve ter até desejado que elas interrompessem o seu beijo com um sorriso – exatamente como eu costumava fazer. Ou sendo mais realista, você deve ter simplesmente encarado isso como algo rotineiro, decidindo assim esperar o dia em que eu voltaria rastejando e pedindo pelo seu afeto – mais uma vez.

O que você não deve ter entendido é o porquê da minha demora, já que apesar das minhas tentativas falhas, nunca consegui ficar mais do que três meses afastada de você. Acho que no fundo você nunca imaginou o desfecho que esta história teria. Quer mesmo saber?

Eu amava tudo em você. O seu cabelo bagunçado, sua roupa amarrotada e o seu jeito arrogante de falar. Eu amava os seus dentes brancos, o seu sorriso falso e as vezes em que você fingia prestar atenção no que eu falava. Eu amava a sua mania de me contradizer e de achar que estava sempre certo. Eu amava aquela sensação de insegurança quando você sumia e amava o bater das asas das borboletas quando você voltava. Não vê?

Para mim você não tinha defeito algum, tudo parecia perfeito demais. E o problema é que não posso ao menos culpá-lo por isso. O culpado é o tão temido amor. Ele nos cega e faz com que tudo pareça bem melhor do que é, ou no meu caso, com que pareça alguma coisa.

Essa poderia ser mais uma história clichê onde o garoto só dá valor para a garota quando a perde. Uma pena eu gostar de ser tão do contra, porque minha história termina com uma lição bem diferente.

Eu me valorizei quando te perdi, e quanto a isso, sou muito grata.

Que você seja muito feliz, claro, sem mim.

Isabela Freitas é escritora, blogueira, e exagerada. Louca por histórias de amor, desenhos animados, e bichinhos de rua. Prega o desapego às coisas que não lhe fazem bem, e acredita que o otimismo e palavras bonitas podem mudar vidas. Blog dela!