Filme da semana: Bonequinha de Luxo

Sabe quando você navegava pelos catálogos da Netflix procurando algo novo para assistir? Uma série diferente? Um documentário, talvez? Ou um filme clássico que nunca assisti e precisava ver? Bem, a minha escolha foi um clássico dos clássicos. Acho que poucas pessoas já assistiram, mas com certeza já ouvir falar em “Bonequinha de Luxo”.

Na maioria dos casos, as pessoas conhecem a história pela sua icônica versão cinematográfica, estrelada pela DIVA e lendária Audrey Hepburn, para em seguida descobrirem que na verdade, o conto nova-iorquino foi primeiramente um livro escritor por Truman Capotecom, e o seu título original “Breakfast at Tiffany’s”.

Vamos a história?

O filme começa com Holly Golightly (Audrey Hepburn) vestindo um Givenchy e tomando seu café da manhã em frente à joalheria Tiffany’s, para esquecer de sua vida. No longa, Holly é uma garota de programa de luxo nova-iorquina, mas transmite uma forma ingênua, delicada, sonhadora e dócil. Não enxergamos com malícia o que ela quer mostrar, ao contrário, imediatamente o seu jeito nos cativa. Que está decidida a casar-se com um milionário. Perdida entre a inocência, ambição e futilidade. Seus planos mudam quando conhece Paul Varjak (George Peppard), um jovem escritor bancado pela amante que se torna seu vizinho. Apesar do interesse em Paul, Holly reluta em se entregar a um amor que contraria seus objetivos de tornar-se rica. Então, Holly passa a viver um impasse em sua vida: continua a sua busca por um marido rico ou se entrega ao vizinho que se apaixonou?!

O clássico quebra os paradigmas da mulher tradicional, que não quer ser apenas uma dona de casa, mas também possui sonhos e vontades de ser livre. Explora a relação dos protagonistas de uma forma atípica para época, pois mostra que os homens também são sensíveis quando o assunto é amor. Romântico e com cenas de comédia sutis, o longa dribla os resquícios de censura que restavam no cinema americano. Além do elenco, a trilha sonora deliciosa e o figurino impecável também chamam atenção.

Além das cenas que se imortalizaram no cinema, como a que Holly sai à procura de seu gato na chuva e a inesquecível canção na janela onde ela canta “Moon River”, que é tema do filme, interpretada por Hepburn, é quando Paul entende a natureza ingênua e sonhadora de Holly, que somente quer uma vida mais bonita de se viver.

Quantas estrelas o filme merece? 5 estrelinhas. Sim, eu amei muito! Dá de dez em muitas dessas comédias românticas que temos por aí -, pois marcou o cinema, a moda e a música. Mesmo trazendo críticas importantes sobre a sociedade e a moralidade que impulsiona a vida, tem uma fotografia ímpar e um humor leve, capturando o expectador. Fiquei com muita vontade de abraçá-la e ter uma conversa de amiga. É um filme antigo, mas faz você se sentir vivendo naquela época. É uma obra bastante bonito de se ver.

Recomendo especialmente pra quem adora comedia romântica, leve e também divertida. Agora eu é que quero saber de vocês: alguém também já assistiu “Bonequinha de Luxo?” e adorou? Contem o que vocês acharam do filme nos comentários do post! Se ainda não assistiu, já pode correr para Netflix.