Então, dezembro, o que ainda me reserva?

Quando criança dezembro era o meu mês favorito. Eu gostava de andar nas ruas e ver as casas decoradas e as luzes de natal iluminando a cidade. As lojas lotadas com pessoas comprando presentes ou lembrancinhas. E também o clima das festas, bom velhinho, bola de neve e os filmes que mostrava essa época. Pois é, eu amava tudo que envolvia essa magia do natal.

Como num passe de mágica, nada disso me encantava mais. Acabei perdendo aquele olhar de criança. A partir de então, dezembro, acabou ser tornando o meu mês de reflexão; consequentemente, coloco em uma balança as coisas boas e ruins, que aconteceram esse ano. Talvez, não tenha sido um dos melhores onze meses da minha vida, mas é o que, eu posso levar na minha bagagem de aprendizagem.

Sim, eu sei que as coisas não vão mudar em apenas um mês, mas ainda, dá tempo de fazer algo para esse mês ser um dos melhores. Ou que não seja tão ruim. Quero realizar coisas simples – como visitar uma amiga que não vejo há anos, ajudar alguma instituição de caridade, visitar velhinhos em um asilo. Ou simplesmente para um pouco e olhar o pôr do sol e entre outras coisas, que não só vai fazer meu mês de dezembro ser melhor, como posso fazer mais pessoas felizes: com um pouco de solidariedade.

Porque, nesse mês, – a que poucos dias nos restam deste ano. Desejo que possa ser leve como uma brisa. Eu torço pelo tempo passar devagar, bem devagar, para dar bastante tempo de você aproveitar cada minuto.

Um leve dezembro a você, então.

São tempos difíceis para os sonhadores

texto153No filme O Fabuloso Destino de Amélia Poulain, a personagem Eva, interpretada por Claude Perron, expressa a frase “são tempos difíceis para os sonhadores”. É uma das citações mais impactantes no filme no meu ponto de vista. Compartilhando com a gente uma grande verdade dos dias atuais.

Mal amadurecemos e a vida nos cobra que crescemos. Quando chegamos à vida adulta e acabamos entrando em um labirinto – que, parece que não há saída. Precisamos decidir qual curso fazer na faculdade e imediatamente procurar um emprego. Aff! De repente sente como se ninguém importasse com os seus verdadeiros sonhos, mas sim, que você precisa ter logo uma vida estabilizada.

É nesse, meio caminho que muitos sonhos vão ficando para trás. Existe quem não aguentar tanta pressão e acabar desistindo daqueles sonhos que desejou a vida inteira. Achando que é melhor guarda em uma gaveta. Do que ter que lutar. Eu não julgo quem desistiu, admiro até. Porque lutar por um sonho é difícil, desistir dele é muito mais.

Nós, sonhadores, estamos constantemente lutando. Tem que se reergue a cada “não” que levamos. Pular a janela quando as portas se fecham. Temos que ouvir “você não vai conseguir” ou “é impossível”. Pensamos em jogar tudo pro alto. Aliás, essas pessoas, acham que não vai dá certo, porque, acabaram desistindo e tentam menosprezar. E então, sua ficha cair e perceber que seus sonhos não dependem dessas pessoas, que tentam ter colocar pra baixo. E, sim, de você.

Suas lutas estão apenas começando. Como um pequeno barco no mar –, enfrente todas as ondas que atravessa o seu caminho. Reme na direção dos seus sonhos. Mesmo que não seja fácil, porém, não desista daquilo que você tanto sonhou. São tempos difíceis, como diz Amélia Poulin, por isso, não desacredite de você mesmo.

Além disso, o que seria do mundo sem pessoas sonhadoras?

O amor da minha vida sou eu

texto529Hoje me lembrei do meu primeiro amor, foi em 2005, quando eu tinha dez anos. Lembro quando ele se foi. Chorei horrores e fiquei triste por muito tempo, esse mesmo tempo acabou cicatrizando tudo. Em seguida meu segundo amor foi na adolescência, não tenho muitas lembranças, só lembro que não fui correspondida. Mas mesmo assim, um estúpido cupido fazia questão de me fazer apaixonar de novo, de novo e de novo.

Um dia conheci um garoto que, fazia as borboletas no meu estômago voarem, minhas mãos suava e minhas pernas tremiam, o pior aconteceu, eram sintomas do amor. Guardei tudo dentro de mim. Eu via que ainda não estava pronta para viver um amor, faltava alguma coisa para me completar. O problema é que eu não sabia o que era. De uma coisa eu tinha certeza, não estava preparada para embarcar em um relacionamento. Estava procurando algo que faltava…, era eu mesmo. Porque ainda precisava me conhecer melhor.

Busquei descobrir o meu verdadeiro eu, não aquele, que eu via quando olhava em um reflexo no espelho. Mas aquele que ia além da alma. Uma fase de transição, amadurecimento e crescimento. Com isso, acabei me conhecendo melhor e descobrindo mais sobre mim.

Hoje em dia estou mais preparada para um relacionamento. Estou mais segurar. Consigo aceitar uma pessoa totalmente diferente, no pensar e no agir. Sei que nem tudo são flores. Vai haver discussões e brigas. E aprenderemos a pedir perdão e a perdoar. Caso não de certo? Não tem problema, acabamos tendo mais uma aprendizagem para entrar no nosso currículo da vida.

O mais interessante quando você descobre quem você é, acabar percebendo que não precisar de ninguém pra te completar. E sim, que chegue para transbordar. Penso comigo, não vale a pena planta sementes em coração vazio. É como receber amor pela metade. Entende? Então a melhor forma de encontrar alguém que te ame, quando você ver que o grande amor da sua vida é você. Não é egoísmo. É descobrir o seu verdadeiro valor.

Para você que está chegando

texto-confiança-amorNão sei de onde você vem e nem o que fez durante essa sua jornada na vida, mas de alguma forma você veio para aqui. Antes de qualquer coisa. Precisamos colocar as cartas na mesa. Você tem que saber em que terreno está pisando. Aqui é um campo minado. Então, tome cuidado onde vai pisar. Por quê? Eu quero muito que você fique. Por isso, quero que você conheça todos os meus defeitos, medos e todas as desilusões.

Estou longe de ser perfeita. Sou de fases, mas complicada que, a garota da música “complicada e perfeitinha”. Vou gritar com você, chorar sem motivos e falar para ir embora da minha vida. O meu subconsciente vai está implorando que você fique. Por isso, que evito ao máximo me apaixonar. Então, acabei erguendo uma muralha ao meu redor. De nada adiantou, você acabou escalando. E chegou até mim, ao ponto, desconstruí a minha autossuficiência. Me mostre que com você os meus dias podem ser mais leve.

Sei que podemos machucar um ao outro. Só vamos saber se vai dar certo se tentarmos. Prometo que vou tentar dar o meu melhor, mas sou humana e, erro muito – como você também é. Porém, com os erros conseguiremos construí um amor mais sólido. E também sei que você não andou só. Já teve alguém que ocupou uma parte do seu coração – e quem sabe não levou uma parte dele junto quando saiu da sua vida. Porém, prometo que vou te ajudar a cicatrizar cada uma das suas feridas. Porque o nosso amor vai nos ajudar a transborda.

Se você chegou até aqui. Sinta-se à vontade. Vamos nos arriscar juntos? Não temos nada a perde. Mergulharemos de cabeça nesse amor. Descobriremos mais um pouco sobre o outro. Seremos cúmplices, amigos e além de tudo namorados. Com você estou disposta a correr riscos, até mergulhar nas profundezas do oceano, porque sei, que você estará me guiando.

Quando a maturidade insiste em bater na porta

comportamento-texto-inspiração-11Você acordar e vê que não é mais aquela criança que os pais resolvia todos os problemas. Acabar dormindo no sofá e amanhece nele. Já começa a diferencia colegas de amigos. Esconder os segredos e os medos dos outros. E aprender a confiar em poucos. Descobre que coração despedaçado é leveza quando se está na entrando na fase adulta da vida. Então você começa a perceber que o Peter Pan não era um garoto egoísta, mas sim, altruísta. Ele sabia que a vida de adulto não é nada fácil – responsabilidades, horários, prazos e problemas para resolver. Como foi um garoto esperto criou o seu próprio mundo, conhecido por muitos como a Terra do Nunca, onde continua criança pelo resto da vida. Imagina só viver em um lugar assim? É, talvez Peter Pan tenha esquecido-se da gente.

Mas não tem como mudamos o ciclo. Precisamos crescer e descobrir novas coisas. Viver novos amores, quebrar á cara, errar, aprender com os erros. E um dia olhar pra trás e ver que tudo que conseguimos viver valeu a pena.

E hoje eu completo 21 anos, e foi por isso que resolvi escrever esse texto. Estou perdida nessa vida de adulta. Não sei que faculdade cursa, mas eu não quero fazer algo só pelo dinheiro, e sim, pelo amor. Acho que uma das piores coisas e ver que o seu verdadeiro sonho, você o deixou esquecido em uma gaveta qualquer, para se jogar em algo que você nunca sonhou – apenas pelo financeiro. É algo deprimente que eu não quero pra mim. E às vezes, pessoas querem cobrar isso de você. É fácil para as pessoas dizerem o que fazer, quando não está no seu lugar.

Mas devagarzinho a maturidade insiste em bater na porta, mas, isso é o de menos. Têm jovens que são maduros desde os 16 e, outros até depois da velhice não tem nenhuma maturidade. É isso que temos que aprender, e na vida, não somos obrigados a nada. E muito menos ter a famosa maturidade que muitos adultos acham que cair do céu. A maturidade é apenas um aprendizado das coisas que você vai vivendo.

E vou devagarzinho remando o meu pequeno barquinho e tentando me encontrar nas águas turbulentas, mas, essas águas turbulentas, é a vida adulta.