Ninguém vai me amar como você me amou

Você me amou do jeito que eu sou – com todos os meus defeitos, sem tentar mudar nada. Você me ensinou a não preocupar com opiniões que não agregar em nada. Você me ensinou a me amar mais. Mas não foi só isso, confesso.

Você chegou quando as coisas parecia não fazerem mais sentido, me ajudando a colocar as coisas nos eixos. Você me ensinou que “depois do inverno, sempre vem à primavera e, trazendo flores para os dias que eram cinzas”. Você sempre enxergava o lado positivo da vida. Até porque, sempre olhava com o coração. Você acreditou no meu potencial, mesmo quando parecia impossível. Você ligava todas as manhãs, somente para ouvir minha voz. Você se preocupava com minha ansiedade e me ajudava a enfrentar todos os meus medos. Ah, os medos! Dos planos que não dão certo, das incertezas da vida e das saudades das pessoas que vão embora – e levando uma parte nossa com elas… Vão embora sem ter noção da falta que vai fazer. Aliás, a mesma falta que você não me ensinou a viver sem.

A falta que é admirar a suas pequenas ruguinhas quando sorrir. Ou quando ficar horas e horas observando você escrevendo qualquer coisa. A falta que é não tem com quem dividir novas descobertas de músicas. Ou quando você recitava algum poema de Vinicius de Moraes para mim, porque nesses simples detalhes me fazia te amar ainda mais. E falta que é ter sua companhia aos domingos – simplesmente fazendo nada, dos seus beijos na pontinha do nariz, seu abraço que era meu porto seguro e da sua companhia que me deixava em êxtase. Era uma conexão de almas, que nada e nem ninguém poderia apagar.

Então é isso, você sempre vai ter um lugar no meu coração, mesmo que nossos caminhos nunca mais se cruzem. Mesmo que tenha me deixando sozinha, saindo da minha vida e levando um pedaço meu. Aliás, eu te peço que me mantenha guardada sempre nas partes mais bonitas das suas memórias, como você faz parte das minhas. Porque você me mostrou o melhor lado do amor… Pois, ninguém vai me ama como você me amou.

texto inspirado na música Nobody – Selena Gomez.

Eu queria ter sido mais do que sua amiga

inspiraçãonamorados11Me diziam que amizade e o amor não poderia nunca se misturar. Então, você chegou revirando o meu mundo de cabeça para baixo. Tinha todas as qualidades de um cara perfeito. Cada dia íamos se aproximando mais e mais. Quando não era pessoalmente, era por telefone ou mensagens. Eu sabia de todos os seus segredos e você dos meus. Rimos por qualquer idiotice. Aliás, você até dizia que minha gargalhada era a mais engraçada de todas. Até mesmo em dias difíceis você me fazia rir.

Eu odiava a forma que você conseguia desvendar cada um dos seus sentimentos, igual quando se ler um pergaminho. O que me fazia odiar ainda mais era quando você falava da nossa amizade. No fundo, meu coração se despedaçava.

Aquela vez que o seu namoro havia acabado. Então, você veio correndo buscar um ombro amigo para chorar. Com certeza, eu estava ali para te socorrer, afinal de contas, eu sempre estava. E para ter alegrar fazia brigadeiro de panela. E depois, eu ligava o som no último volume e ficávamos dançando qualquer coisa. Até o amanhecer. E por fim, eu adormecia em seus braços. Ali sentia que estava no lugar mais seguro do universo.

Cada vez que os dias iam passando eu queria dizer o tanto que eu te amava. Houve vezes em que eu quase declarei o meu amor, mas não tiver coragem suficiente. Eu tinha medo de perder você. E toda essa cumplicidade que havia entre a gente. Acho que nossos amigos incomuns sabia que eu sentia algo muito forte por você, que não era apenas amizade. Estava tão na cara, só você não via.

Eu só queria que você tivesse prestado atenção, quando olhava nos meus olhos, havia muitos sentimentos guardados ali. Cada um deles era pra você.

E naquela noite de sexta-feira corri até sua casa. Você estava com cara de sono, com os cabelos todos desgrenhados. E aí fiquei em silêncio, apenas olhando pra você, pela última vez. Apenas o abracei forte. Quis falar tudo que eu sentia, quis dizer que não queria ser só sua amiga. Não disse nada, apenas me afastei dos seus braços. Aquele seria o nosso último adeus, mesmo você não entendendo nada. Sei bem que não deixaria que eu me afastasse da sua vida.

Depois de algum tempo, vi que eu fiz foi o mais certo: ter me afastado de você. Ninguém saiu ferido. Doeu? Claro. Mas doeria ainda mais, se eu continuasse guardando tudo isso pra mim. Hoje, vejo que ter me afastado, foi como se eu tivesse me libertado. De que adianta ter você por perto, mas ao mesmo tempo estava longe. Te tocava, mas você não me pertencia. E como você sempre afirmava: eu era só sua amiga, nada, além disso.

TCHAU, ATÉ NUNCA MAIS!

texto87 Você sabia, sabia sim. Sabia que mais cedo ou mais tarde eu bateria na porta da sua casa dizendo que não aguentava mais de saudade. Sabia que o amor que eu sentia por você era maior do que qualquer outra coisa. Eu não tinha um pingo de amor próprio e isso era seu maior trunfo. Você sabia que eu assumiria a culpa por todos os erros – até dos seus – e por todas às vezes em que terminei com você por impulso. Devia saber até, do vestido que escolheria para esse dia. Aquele preto, do nosso primeiro beijo. Você deve ter passado noites imaginando o mês que eu iria escolher para tomar essa atitude. Se me sentiria carente no inverno ou se iria desejar seu calor no meu verão. Deve ter ensaiado diálogos imaginários em frente ao espelho e relembrado diversas vezes os motivos que nos separaram – afinal, teria que dizer todos eles mais uma vez na minha cara para me fazer sentir culpada, de novo. E eu, como sempre, pediria desculpa por tudo, pois só assim conseguiria ter você ao meu lado mais uma vez.

Esperar cansa, né? Mas tudo bem, sei que você é paciente. Imagino que você deva ter me visto com outros caras e pensado que era mais um daqueles meus joguinhos de vingança, ora, eu jamais te trocaria, você é insubstituível, né? Deve ter visto meu sorriso e não soube distinguir se era verdadeiro ou se escondia as lágrimas que só tenho coragem de chorar em meu quarto. Deve ter se relacionado com outras garotas e sentido um pouco a minha falta, porque convenhamos você não é um cara fácil e comigo não tinha tempo ruim. Deve ter até desejado que elas interrompessem o seu beijo com um sorriso – exatamente como eu costumava fazer. Ou sendo mais realista, você deve ter simplesmente encarado isso como algo rotineiro, decidindo assim esperar o dia em que eu voltaria rastejando e pedindo pelo seu afeto – mais uma vez.

O que você não deve ter entendido é o porquê da minha demora, já que apesar das minhas tentativas falhas, nunca consegui ficar mais do que três meses afastada de você. Acho que no fundo você nunca imaginou o desfecho que esta história teria. Quer mesmo saber?

Eu amava tudo em você. O seu cabelo bagunçado, sua roupa amarrotada e o seu jeito arrogante de falar. Eu amava os seus dentes brancos, o seu sorriso falso e as vezes em que você fingia prestar atenção no que eu falava. Eu amava a sua mania de me contradizer e de achar que estava sempre certo. Eu amava aquela sensação de insegurança quando você sumia e amava o bater das asas das borboletas quando você voltava. Não vê?

Para mim você não tinha defeito algum, tudo parecia perfeito demais. E o problema é que não posso ao menos culpá-lo por isso. O culpado é o tão temido amor. Ele nos cega e faz com que tudo pareça bem melhor do que é, ou no meu caso, com que pareça alguma coisa.

Essa poderia ser mais uma história clichê onde o garoto só dá valor para a garota quando a perde. Uma pena eu gostar de ser tão do contra, porque minha história termina com uma lição bem diferente.

Eu me valorizei quando te perdi, e quanto a isso, sou muito grata.

Que você seja muito feliz, claro, sem mim.

Isabela Freitas é escritora, blogueira, e exagerada. Louca por histórias de amor, desenhos animados, e bichinhos de rua. Prega o desapego às coisas que não lhe fazem bem, e acredita que o otimismo e palavras bonitas podem mudar vidas. Blog dela!