Solidão

tumblr_nnruxgCdW21ts1n9no3_540Sentou-se na janela e ficou observando as pessoas que passavam pela rua. Umas sorrindo, outras discutindo e muitas sozinhas. Tomou mais um gole de café. O vento frio batia em seu rosto e fazia queimar. Mas nada doía tanto que a solidão daquela casa. Ali era o único lugar que sentia-se acompanhada. Olhava para as pessoas e tentava desvendar o sentimento de cada uma delas. E sabia que cada uma tinha algum sentimento que queria esquecer.

Respirou fundo e pegou o celular, não havia nenhuma mensagem nele. Olhou dentro do quarto (sem sair da sacada da janela) viu que o silêncio era assustador. Não havia vestígio nenhum daquele que um dia ela amou. Doía! Porém, tinha que aprender a conviver com aquela ausência. Na vida às vezes, temos que abrir mão de um amor, por um sonho ou por um erro cometido. De uma forma difícil, essas escolhas fez doe cada fibra do seu corpo.

O anoitece ia deixando a rua ainda mais vazia. Sentiu um amargo no estômago. Estava ainda mais solitária. Não tinha nem mais os desconhecidos passando na rua, para imaginar o que acontecia na vida deles. Não tinha ninguém pra lhe ouvir, tantas coisas queria dizer. Poderia conversar com as paredes ou quem sabe o seu vizinho do lado, que havia perdido a esposa (depois de 50 anos casados), ele sempre falava o tanto que a amou, até mesmo quando encontrava-se no corredor do prédio. Mas não naquela noite, porque era apenas, ela e a solidão.

Deitou a li mesmo no chão e adormeceu. O quarto estava vazio e sombrio, ali era o único lugar mais aconchegante, até mesmo, com todo o frio que estava fazendo. Porque lá dentro, se encontrava a solidão: que doía e sufocava, até mais do que, qualquer dia de inverno.

Você me faz querer voar

comportamento-texto-inspiração-42Estávamos observando o céu, músicas tocavam ao fundo e as luzes se apagavam. As crianças se divertiam pelo parque e os casais se beijavam. Então você me puxou para perto e segurou minhas mãos e sussurrou no meu ouvido: “você me faz tão bem”, aquelas simples palavras foi mais forte do que um “eu te amo”. Eu nunca pensei que um dia alguém iria virar o meu mundo de cabeça pra baixo – mas de uma forma positiva. Logo eu, que gritava aos quatro quantos do mundo que amor era coisa de gente louca. E agora, estou segurando suas mãos, com dedos entrelaçados e olhando os fogos de artifícios que colorir essa escuridão toda.

E algum tempo atrás eu estava sozinha em casa nessa mesma data e, olhava os fogos que iluminar o céu hoje da janela do meu quarto. Foi nesse mesmo período de tempo que você surgiu na minha vida. Chegou de mansinho sem fazer barulho como quem não quer nada e me ganhou aos pouquinhos. Soube me ensinar como é se sentir amada. Me fez voltar até a acreditar em príncipes, castelos encantados e contos de fadas. Não preciso fazer nada de tão grandioso pra me conquistar. E você não precisou escala o Everest, e nem atravessar o oceano nadando e nem me enviar um milhão de rosas colombianas. Apenas me ensinou amar.

Achava que nunca daríamos certo, você gostava de festas e baladas e eu da minha pilha de livros – que você achava chato! De uma forma ou de outra acabamos se completando, como um quebra-cabeça. Acho que essa frase “você me faz tão bem” eu diria a você.

No dia que apareceu na minha vida eu sabia que se tornaria mais do que um desconhecido. Acho que você é como o meu antídoto. É algo tão bom, um sentimento inexplicável o que você desperta em mim, é tão profundo e enigmático. É como, se o seu amor me fizesse tocar o céu e, sinto como se tivesse asas para poder voar.

É amor

comportamento-texto-inspiração-1Passei meu batom vermelho, aquele que não usava a um bom tempo com receio por chamar atenção para os lábios. Na época do colégio ouvia muitos cochichos de que vermelho não combinava comigo, não realçava meu tom de pele.  Talvez foi por isso que eu parei de usar. Cresci e amadureci e parei de dar ouvidos ao que as pessoas falavam. A garota do meu lado no espelho ficou observando enquanto tirava o excesso – ela balbuciou algo que não consegui ouvir, mas acho que foi “que cor bonita!”, dei um leve sorriso e agradeci.

Entro correndo para dentro daquele prédio tão alto. – Droga, dez minutos atrasada! Fiquei pensando o que pode acontecer no mundo em dez minutos “pode cair um meteoro e o mundo acabar”, chega de teorias e pensamentos dementes. Tentei entrar na sala de redação sem fazer nenhum barulho. De nada adiantou, o redator chefe levantou a cabeça sobre a mesa e ficou observando enquanto eu sentava. Malditos sapatos. Tão estranho, ele era três anos mais novo do que eu para ser meu chefe, a maioria são anciões e nem um pouco atraente. Ele era atraente até demais, parecia um garoto recém-formado na faculdade. Seu cabelo castanho, cor dos olhos de um verde vibrante e o sorriso dele era encantador – apesar de não sorrir muito. Eu gostava de pode observar cada detalhe nele.

Na minha época de escola eu evitava o máximo de se apaixonar por um colega de classe, tinha medo que não poderia dar certo. Colocava na minha cabeça que era paixonite, coisa de adolescente, mas com ele era diferente…, era amor.

Quando me dei conta eu estava sorrindo e meu melhor amigo me olhava sem entender nada. Vi que ele também estava me olhando com a sobrancelha arqueada, me deu vontade de enfiar a cara no chão. Ouvia burburinhos que ele tinha uma queda por mim – nunca dei ouvidos. Mesmo se fosse verdade, nunca me sentia segurar suficiente, as estagiárias eram tão lindas, parecia até que tinha saído de um comercial de tv e todas sempre queria chamar sua atenção, ele não dava atenção para nenhuma delas. Isso me deixava muito feliz, eu gostava de imaginar que ele sentia algo de especial por mim.

Todos os meus colegas já estavam indo embora. Eu ainda estava terminando de editar aquele texto – maldito dez minutos. Quando levantei meus olhos ele estava caminhando em minha direção segurando um botão de rosas. Meu coração palpitava, sentia como se o sangue do meu rosto esvaziasse.

– Eu gosto muito de você, desde a primeira vez que te vi senti algo diferente. Tentei menti que não era nada de especial. Só que esse sentimento vem me sufocando cada vez mais. Poderia dizer que eu gosto de você, mas eu nunca senti isso antes, é algo tão estranho que não cabe dentro de mim, acho que é amor, acho nada, eu tenho certeza. E onde você chegar traz paz, pelo menos eu me sinto assim. Eu amo o teu sorriso e gosto do jeito que você ver a vida, com uma serenidade que poucos têm. Quero pode fazer parte do seu mundo, e você fazer parte do meu.

E depois, me deu aquele botão de rosa, e em seguida, disse: Você é diferente de tudo que um dia eu amei. Agradeço ao universo por ter colocado no meu caminho. E essa rosa vai combinar com a cor do seu batom. Segurei aquele botão tão bonito, não me lembro de quando ganhei uma rosa – é, nunca ganhei uma. Ela era tão delicada e de um vermelho intenso. Sentir como se fogos de artifício explodisse dentro de mim.

Naquele momento eu tinha certeza que era amor, é amor, e sempre será amor.
Então, não aguentei e uma lágrima escorreu dos meus olhos.
E ele enxugou com a ponta dos dedos.

Quando se amar perdoar

texto526A luz do sol começava a entrar timidamente pela janela do quarto. Era manhã de um dia qualquer. Já dava até para ouvir o barulho das pessoas que passavam nas calçadas para ir ao trabalho, criança gritando indo para escola e as buzinas dos carros. A rotina das pessoas já tinha começado cedo e ainda mais depois de mais um final de semana. Eu ainda permanência deitada na cama desejando que o dia passasse logo. Desejando pode ficar deitada o dia inteiro, sem ninguém que pudesse me atormentar. Por um minuto, eu sentir o silêncio ao meu redor. Quando de repente à campainha começou a tocar. Sair correndo pra ver quem era, na hora que eu abrir a porta, era ele. Continuei parada sem nenhuma reação e ele ficou parado na porta sem dizer nada. Apenas olhando pra mim. Minha vontade era fechar a porta na cara dele. Foi quando ele interrompeu meus pensamentos.

– Eu sei que é apenas 6:00 da manhã. Desculpe por te fazer acordar tão cedo. Só que eu queria te ver e ouvir sua voz de novo nem que fosse pela última vez, mesmo você desejando que eu sumisse agora daqui. Sei que você não vai acreditar, mas eu senti a sua falta. Senti falta do à gente era antes.  – Naquele momento seus olhos estavam com lágrimas. E o tom da sua voz estava trêmula.

– É que eu nunca imaginei que você voltaria um dia aqui. Quando eu implorei pra você ficar simplesmente me ignorou, virando as costas pra mim. Eu fiz de tudo para não sofrer, mas acabei sofrendo mesmo assim. E você sempre me ignorando. Então você resolve bater na minha porta de novo? Depois que eu te esqueci. – Olhei fixamente para os seus olhos e esperei o que ele ia dizer.

– Eu nunca quis fazer você sofrer. Só quis partir para viver meus sonhos. Eu não tinha dado contar você fazia parte deles. A última pessoa que eu faria sofrer é você. Mesmo você não acreditando. Eu ainda te amo. Acho que você não esperava que um dia eu dissesse isso. Nem eu consegui imaginar que um dia teria coragem de bate de novo na sua porta. Sabe vim aqui te pedir desculpas por tudo que aconteceu entre a gente. Vivemos tantos momentos felizes, que não dar apenas para pensar só nas tristezas que aconteceu. – Tentei não pensar em nada que tínhamos vivido antes, em nenhuma tristeza e muito menos nas alegrias. Aquele momento era ele e eu. E nada mais.

– Quer dizer então que você não queria me fazer sofrer? Porque fez questão de entrar na minha vida? Já que sabia que não ficaria por muito tempo. Quando eu estava apaixonada por você poderia ter fugido de mim antes, e não depois que comecei a te amar. – Puxei o fôlego bem fundo pra não chorar. Foi quando ele segurou a minha mão e logo solto.

– Eu tentei fugir de você. – Ele me olhou nos olhos fixamente.

– E porque não fugiu? – Eu queria que ele fosse logo embora. Mas ao mesmo tempo estava feliz em ver ele.

– Porque me apaixonei por você. Comecei amar você como nunca consegui amar ninguém. E o que você sente por mim? – Aquela pergunta saiu como uma bala. Ele segurou minha mão bem forte e depois solto de novo. Como na primeira vez que aviar segurado.

– Eu te quero bem. – Eu não estava mentindo. Desejava todo o bem do mundo para ele mesmo sabendo o tanto que ele me fez sofrer. Só que era meio difícil consegui esquecer o tanto que ele me fez feliz um dia.

– E isso significa o que? – Eu tinha que falar com cautelar tudo que estava sentindo não podia demostrar nenhum sentimento. O pior de tudo que não era tão fácil o quanto parecia.

– Significa que eu desejo tudo de bom para você. Eu quero que você encontre alguém que te ame o tanto que eu te amei. E que você também a ame. E que consiga te aceitar de volta depois que você ir embora. – Não, não era pra mim te demonstrado sentimento, mas uma parte de mim, sentia ausência dele. Minhas lágrimas começaram a escorrer.

– Eu não quero outra pessoa na minha vida. E sim você. Eu nunca te disse adeus. Um dia eu voltaria, aqui estou, sei que você não quer nada comigo. Mas, por favor, me diga o que você ainda sentir por mim, é amor? – Um silêncio intenso ser fez depois daquela pergunta. A respiração dele ficou mais forte e ofegante. Foi quando me aproximei dele e dei um longo beijo. Sentia cada partícula do meu corpo. Sentia como se flutuasse pelo ar. Conseguia decifrar tudo que estava dentro de mim – que era o amor.

– O que esse beijo significa? Que você me amar? – Ele me fez aquela pergunta com um sorriso no rosto. Depois seu rosto se escureceu como uma tempestade.

– Que eu te perdoo. Porque quando se amar perdoar. – Eu o amava suficientemente para um dia o perdoar.

Ele me envolveu em seus braços, deu um forte abraço, aquele acolhedor que me fez esquecer que lá fora existia um mundo. Consegui esquecer de todos os problemas. Em seguida deu um beijo demorado na minha testa e disse baixinho no meu ouvido: – aqui é o meu lugar, bem do seu lado. Não importa aonde eu vá sempre te levarei comigo. – Apenas o abracei o mais forte possível. Consegui sentir as batidas do seu coração, como estava acelerado. Cada batida puder sentir o tanto que ele me amava. E o tanto que eu o amava, mas do que eu conseguia imaginar.

O pra sempre, sempre acaba

texto46Eu jurei que teríamos um final feliz. Acreditei que viveríamos o nosso amor por toda vida. Imaginava eu e você fazendo juras de amor em frete ao mar e colocando nos nossos dedos alianças. Eu sonhava em morar de frente pro mar. E ter um cachorro e dois gatos. E ter três filhos. E foi assim acabei fazendo tantos planos para nossa vida que acabei me esquecendo. Esqueci que nem tudo é pra sempre, mesmo quando queremos. Tudo tem um fim, por mais que queremos eternizar aquele momento. Aquele dia. Ou aquele amor.

Todas aquelas suas juras de amor foram em vão. Você jurou que me amaria até quando seu coração deixasse de bater. Mandava-me flores, cartas e escriva em todas as redes sociais que me amava. Foram tantas declarações. E no final restou apenas uma grande decepção. Você me fez senti tão especial, que achei que você era diferente de todos os homens que existia na fase da terra.

Faz exatamente dois meses que você me enviou aquela mensagem terminando tudo. Senti-me como uma criança que faz um lindo castelo de areia. E vem um infeliz e destrói tudo. Criei expectativa demais. Em quem tinha amor de menos. No fundo eu sabia que um dia tudo iria acabar. Eu queria acreditar com a gente tudo seria diferente. Esqueci que não vivia em um conto de fadas onde o roteirista escrever e “viveram felizes pra sempre”. Bem que eu queria que minha vida fosse um roteiro. Pelo menos lá eu teria um “felizes”. Mas a minha história não vai pra o lado clichê dos filmes. A minha história é diferente igual de muitas pessoas que existe apenas o “viveram”, o felizes – para – sempre deixar para os contos de fadas.

Eu vi que por mais que eu quero que aquela pessoa permaneça na minha vida um dia ela tem que ir. Não adianta eu tentar impedir. Não adianta eu acorrenta para que fique. Você não me pertencia. Nem tudo me pertence. Nada nós pertence. Nem o amor que um dia alguém disse que sentia. E foi assim que eu aprendi, que todo começo tem que ter um fim.

É que eu sonhei contigo

texto450Leia o texto escutando:

Era um sorriso angelical, ele tocava as minhas mãos, e beija os meus lábios. Rodopiava comigo para um lado e pra outro. Abraçava-me bem forte, e eu batia no meio dos peitos dele e dava para ouvir a batida do seu coração. Ele dizia que me amava, e queria que aquele momento se eternizasse, e me segurava pela cintura e continuava rodopiando de um lado para o outro. Eu também desejaria que aquele momento nunca mais se acabasse.  Mas havia algo estranho, eu não o conhecia ele, nunca tinha visto antes. Começou a tocar um barulho, era parecido com um despertador.  E ele ia desaparecendo, eu não conseguia mais vêlo. E apareceu uma forte neblina, e tudo ficou escuro. Aquele barulho ficava mais forte. Era tudo um sonho, ele não existia. Queria gritar minha voz não saia. Fechava os olhos e tentava volta naquele sonho, mas era tudo em vão.

O despertador continua tocando, de nada me adiantaria continua deitada naquela cama. Era tudo um sonho.  Me arrumei já estava atrasada. Peguei o ônibus, e mais um dia se passou. Voltei a dormi amanhã seria o dia da minha formatura. Porém não me preocupava! O que eu queria era poder voltar no sonho daquela noite, eu queria volta a ver o rosto dele. Senti suas mãos segurando as minhas, e senti os seus doces beijos. O que eu queria era poder dançar de novo com ele, e ouvir a batida do seu coração.

Todas as garotas estavam entusiasmadas com a formatura, mas eu não. Eu queria poder voltar para casa, e tenta voltar naquele sonho. Havia muitas pessoas na festa, a maioria eu não conhecia. Quando revirei meu rosto avistei um garoto alto e moreno, eu o conhecia de algum lugar, mas não consigo me lembra. Começo a tocar a música do meu sonho, e ele veio se aproximando em minha direção.

– Aceita dança comigo? – Disse ele.

Era ele. Fitei os olhos com os dele. O meu coração disparou muito rápido, não sentia minhas pernas, estava fora de mim. E ele ficava me olhando fixamente, não sabia o que fazer. Fiquei com medo que tudo fosse apenas um sonho. O meu medo é que ele fosse o fantasma dos meus sonhos.

– É você?

Ele não conseguia entender o que eu estava dizendo. Apenas continuava me observando.

– Eu! – Respondeu ele.

– Ah, me desculpe, estava um pouco distraída. Claro que eu aceito.

Ele envolveu seus braços na minha cintura e os meus no pescoço dele, como num laço ou enforcamento desastrado, e eu não conseguia pensar em nada. Nada mesmo. Apenas queria que aquele momento nunca mais acabasse.

– Eu te conheço de algum lugar? – Pergunto ele.

– Vai ver que foi em algum sonho?! – Respondi.

Ele sorriu para mim com um sorriso de uma criança que acaba de descobrir o mundo. O sorriso dele parecia que ele sabia que era ele, o garoto dos meus sonhos. E ele fixou seus olhos com os meus, e respondeu:

– Pena que não consigo me lembra desse sonho.

Os nossos olhos ainda continuaram fixos um com o outro, ele deu um leve sorriso. A música já tinha acabado e nós continuávamos dançando sem música. E todos na festa ficavam nos olhando.

Ele segurou minhas mãos e rodopiou comigo. Ele puxava-me e cobria-me de beijos. E começou a tocar outra música, e continuávamos dançando. E eu apenas fechei meus olhos, tinha medo que aquilo tudo podia ser apenas um devaneio. Queria pode eternizar aquele momento para sempre.

E ele continuava me rodopiando…