Girl power: filmes de empoderamento da minha infância

Na minha infância não se falava muito de empoderamento feminino – para falar a verdade esse tema começou a ser discutido de alguns anos para cá! Ainda bem, né?! Porém, esses dias atrás eu comecei a pensar que o empoderamento feminino sempre esteve presente na minha vida. Sim, principalmente nos filmes, a parte incrível de ter crescido no começo dos anos 2000 é que eu tive a oportunidade de ver, quando ainda era criança, filmes adolescentes e comédias românticas com protagonistas legais! Essas garotas mostraram que eu não tinha que seguir estereótipos e, por conta disso, acabaram inspirando uma geração de garota. Elas não vai ser a representação perfeita ou um resumo do feminismo, mas todos tem um quê de girl power! 

  • Mulan

Mulan é uma das minhas princesas favoritas! Uma heroína que resolveu ir no lugar do pai para lutar na guerra. Ela sabia que não era fisicamente tão forte (ainda haha) quanto os outros soldados, então ela usou sua mente fantástica para encontrar outras formas de completar o treinamento. Ela sabia que dependia dela, e só dela, provar que era capaz. E ela conseguiu. Mulan poderia ter desistido facilmente. Ninguém acreditava nela. Ninguém levava ela a sério. Mas ela não desistiu.  Isso é algo que todos almejam, e Mulan nos inspira a continuar almejando. Ela é mais do que um simples desenho — ela é uma verdadeira guerreira.

  • Ela é o Cara

Quem na infância não foi proibida de fazer “coisas de garotos”? Na época do ensino fundamental, as meninas não podiam jogar futebol, então, eu e as minhas colegas de classe fizemos um abaixa assinado com assinaturas dos pais. E o filme “Ela é o Cara”, que fez a gente ver que não poderíamos aceitar tais regras do colégio. Aliás, a história é de Viola, joga no time feminino de sua escola, mas descobre que a equipe será fechada e deixará de existir, para a sua infelicidade. Em uma situação com poucas soluções, finge ser o irmão para poder jogar e vive uma vida dupla. Ela mostrar que precisamos lutar pelo que sonhamos.

  • Meninas Malvadas 

“Chamar alguém de gordo não vai te deixar mais magro, chamar alguém de burro não vai te deixar mais inteligente.” Uma história de padrões e como nenhuma garota se encaixa perfeitamente neles. Nós podemos tentar, mas, no final das contas, as pessoas são diferentes e aceitar isso é importante. Uma mensagem que eu precisei ouvir na minha infância.

  • As Patricinhas de Beverly Hills

Cher talvez seja a primeira personagem do cinema a ter uma verdadeira squad – e, quem sabe, se tornou a inspiração de Taylor Swift por causa disso. Ao lado de Dionne e Tai, ela faz o possível para lidar com a imaturidade dos garotos do colégio e os ônus e bônus de ser uma garota rica de Beverly Hills. Cher Horowitz não liga pros haters, pra garotos pegajosos nem pra quem acha que ela é burra.

  • Legalmente Loira

Estrelado por Reese Witherspoon, Legalmente Loira conta a história de Elle Woods, uma loira super popular que foi dispensada pelo namorado, que a achava fútil demais. Para provar seu valor para o ex e reconquistá-lo, ela se matrícula na Universidade de Direito de Harvard, porém – conforme vai entrando no mundo da advocacia – ela percebe que não precisa provar nada para ninguém.

  • 10 Coisas que Eu Odeio em Você

E, para finalizar, com um dos clássicos do cinema! Nos traz algumas visões de ideais feministas, principalmente através de Kat, personagem interpretada por Julia. Kat Stratford representa a rebelião, tanto em termos de estilo quanto em sua existência. Ela não é o que as pessoas esperam que ela seja. Ela arranca pôsteres do baile de formatura das paredes da escola, feminista e não liga para o que seus colegas de escola pensam a seu respeito.

Terminei esse post com vontade de assistir de novo todos esses filmes! Até porque, te inspirações de girl power nunca é demais! E aí? Também se identificou com algum desses filmes? Contem pra gente o que acharam nos comentários? Beijos e you go girl! <3

Você não apareceu na primavera

texto998Eu adorava deitar nos seus braços e ouvir Legião Urbana e ficávamos cantarolando cada trecho. Ás vezes, dançávamos no meio da chuva, sem música nenhuma. Foi em um dia de outono você resolveu partir e prometeu que voltaria na primavera. No dia seguinte, comecei a cultivar flores e todas as manhãs cuidava delas. Os dias iam passando e as flores começavam a nascer. A primavera vinha se aproximando. Eu corria para janela e ficava te esperando. E a quem dizia que você não voltaria, e, eu torcia o nariz, mas lá no fundo, eu tinha medo que isso acontecesse. Então a primavera chegou e as flores do jardim começaram a florir, e, todos os dias eu te esperava. Mas os dias foram passando e a primavera foi indo embora. E as flores do jardim começaram a morrer, e por fim, morreram.

Te esperei em todas as estações. 

Dois anos se passou e você conheceu um novo amor e seguiu outro caminho.

Hoje enquanto caminhava no meio do jardim que um dia existiram flores. Acabei percebendo que as flores foram iguais ao nosso amor, acabaram morrendo. Não é porque eu sentia tantas coisas especiais que você sentia o mesmo. Aliás, me joguei de cabeça, mergulhei de corpo e alma. Acabei plantando amor em um coração vazio, e o que restou colher, foi dor.

A partir de agora, vou plantar flores para mim. Regá-las e cultivá-las todos os dias. E como uma borboleta no jardim, um dia vai aparecer alguém que vai me ajudar a colher cada uma delas.

Aqui só existe amor

texto-bem-me-quer-invejaEu sempre acreditei, o que a gente deseja acabar voltando. Seja o bem, ou o mal. Quando eu era criança meu avô falava “que todo amor gera amor e todo ódio gera ódio”. Foi com esse conselho que eu fui crescendo e aprendendo, que tudo de mal que desejamos para alguém acabam se voltando contra nós mesmo. O que se vai, faz todo caminho de voltar, é a lei do retorno “tudo que vai volta”. Eu nunca consegui entender por que as pessoas costumam guardar tanto ódio e rancor dentro delas. Essas mesmas pessoas são tão tristes e infelizes na vida. Os sentimentos negativos que você guardar, eles acabam te destruindo por dentro.

Por mais que eu esteja sentido raiva de alguém, não quero que nada de mal aconteça com essa pessoa. Acredito que o universo se encarregar de fazer o mal lançado voltar para quem arremessou. Já prestou atenção nas pessoas que faz o mal para alguém. Ou deseja? O final sempre é bem triste, acabam na miséria, não de dinheiro, mas espiritualmente. Sem amor de ninguém. É meio clichê mais é verdade “cada um colher o que planta.” É tipo a energia emitida, afinal cada um oferece aquilo que tem.

Eu gosto de semear o bem. De distribuir o amor para o próximo, já que esse sentimento no mundo andar em extinção. Eu não guardo rancor dentro de mim. Não consigo ficar regando ódio. Prefiro profetizar o amor. Gosto de poder andar na paz. Prefiro semear só coisas boas. Não tente me desejar o mal, porque na verdade, nunca o malmequer. Sabe por quê?

– Porque deste lado só existe amor.

A gente guardar um baú de sentimentos

texto987Se tem uma coisa que eu aprendi muito bem na vida foi guardar sentimentos. Com o tempo fui aprendo a guardar eles só pra mim. Fui guardando eles dentro de um baú antigo, daqueles que ficam no fundo do armário ou em algum porão. Um baú cheio de coisas que a nem sabemos bem o porquê a gente guarda sabe? Com nossos medos antigos, medos novos, mágoas, lembranças, memórias que a gente se apega e recordações. E dentro do coração estão os nossos sentimentos mais abstratos. Digo isso no sentido de expectativas, ansiedades, coisas que imaginamos ou tentamos decifrar sobre a vida.

No fundo todos nós guardamos um baú dentro de nós mesmo. Não adianta negar que você também carregar um baú, e lá você guardar cada um dos seus sentimentos. Acho que cada um tem o seu. Existe momentos certo de abrir algumas vezes pra tentar pegar algumas coisas que passaram e tentar trazer pra realidade. Ou em uma tentativa de fazer o melhor no presente ou tentar reviver alguma lembrança. Vai saber? E é claro que cada um sabe muito bem o peso que o seu baú cheio de histórias e experiências lhe traz.

Tudo que vivemos na vida é sempre uma grande aprendizagem. Acho que em cada fase da vida, ganhamos uma peça de um grande quebra-cabeça. E cada peça fica guardada dentro desse baú que a gente leva conosco. E que em cada momento, as peças vão se encaixando, fazendo sentido, outras peças a gente troca porque não são adequadas. E assim, vamos moldando cada pedaço de quem somos. Acho que é isso que carregamos em um baú de sentimentos, o quebra cabeça da nossa vida e alguns segredos, que ás vezes o melhor é deixar eles bem lá no fundo do baú.

Sabe esses sentimentos algum dia vai fazer sentido na sua vida de uma forma ou de outra. Um dia você vai retirar cada um deles de dentro do seu baú. Porque de cada tropeço ou vitória, traz uma lição ou alguma maturidade. Por isso, pegue o seu baú repleto de “coisas” e revire tudo! Isso mesmo! Revire-o e substitua peças antigas, jogue sentimentos antigos e desnecessários fora. Acho que o melhor a se fazer é colocar dentro dele coisas novas. Uma nova aprendizagem, uma nova história e tudo que você vai viver com o tempo.

Eu sempre digo não importa o que você tem guardado no seu baú, no final das contas o que a gente quer é poder jogar o nosso baú com todos os nossos sentimentos dentro, lá no fundo do mar. Onde ninguém consegue encontrar, nem nós mesmo. Mais do que vai adiantar fazer isso? Dentro do seu baú de sentimentos você carregar momentos que não quer jamais esquecer, são coisas que um dia te fizeram bem. E se não está pronta para abrir o seu baú esconda ele em um lugar que ninguém tem acesso a não ser você mesmo. Um dia você vai consegui revirar todo o seu baú. E vai descobrir que tudo valeu a pena, até mesmo os seus erros, que foram eles que acabaram te ensinado muitas coisas sobre a vida.