Meu amor platônico

texto926Todos os dias eu passava pela aquela rua onde ele morava. Sempre nos encontrávamos. Eu gostava de passar por ali e encontrar com ele. Mesmo que fosse apenas para olhar só de longe. O cheiro do seu perfume ficava impregnado entre as vielas. Não sei direito o nome dele. Talvez seja, Zé ou José, era mais ou menos assim que as pessoas o cumprimentavam e, ele respondia todos com um lindo sorriso no rosto. Ele era fascinante e adorável. Era tudo tão encantador nele.

Quando nós nos encontrávamos sentia que nada conseguiria estraga meu dia. Contava as horas para pode encontrar com ele de novo. Saia correndo antes das 18 horas, e topava com ele entre aquelas vielas onde as pessoas iam e viam. Eu só queria pode dizer algo, mas não tinha coragem suficiente. Eu dormia todas as noites sentindo o cheiro do seu perfume, lembrando-se do seu sorriso, ouvindo a sua voz.

Eu o amava tanto mesmo não sabendo muito sobre ele. Como isso é possível? São coisas que ninguém vai conseguir explicar. Mas, eu sabia que ele era o meu amor platônico. Não era correspondido, que só existia nos meus pensamentos. Bem que eu desejava que fisese parte do meu mundo real. Eu não tinha coragem suficiente de dizer que eu o amava. O amor que eu sentia por ele é um amor á distância, que não se aproxima, não toca, não envolve, é feito de fantasias e de idealização.

Eu fazia planos da minha vida e incluía ele em cada um deles.

Quando em um dia como qualquer outro, tinha uma garota no seu portão, ele pegou umas rosas no seu jardim e deu para ela. Fiquei observando tudo de longe. Senti meu coração se quebrando em pedacinhos. Vi que os dois se amavam muito, isso me deu um nó no estômago. Meu corpo ficou êxtase, só queria sair correndo daquele lugar. Como se fosse uma despedida eu olhei para ele e sorrir. Os dois ficaram me olhando, e foi quando virei pra trás e dei um tchau para ele. Aquela foi a nossa última despedida – mesmo ele não sabendo.

Desejei do fundo do meu coração que ele fosse realmente feliz, mesmo eu não fazendo parte dessa felicidade.


Comentar via Facebook

Comentário(s)

19 comentários em “Meu amor platônico”

  1. Não confio em pessoas que não teve/teve um amor platônico..
    Eu já tive vários, na verdade ainda tenho.. Na verdade é amor mesmo, mas as pessoas insistem falar que não é real, mas eu sei que o Benedict Cumberbatch sente alguma coisa por mim bemmm lá no fundo ahuihaiuhauhaiuhaiuhiua

    Adorei o texto =D ME identifiquei

    1. Vou te contar um segredo, por favor não conta para ninguém, um dos meus maiores amores platônicos foi o cantor Justin Bieber, na época de 2009, eu tinha 14 anos hahhaha. Os meus planos do futuro era que nós ia se casar hahhahahha. Na época da escola eu tiver vários =P.
      Obrigada, Clay<3!

  2. Ah amores platônicos hahaha
    Quem nunca teve né?
    Gostei do texto e fico feliz por não ter tido o coração quebrado como da garota do texto. Meus amores platonicos normalmente eram mais leves e sem criar muitos planos. Apenas olhares e sonho de um dia falar com a pessoa mesmo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *