“Eu nunca…”, a nova série de comédia adolescente da Netflix

Uma série que ganhou o nome de uma brincadeira bastante famosa está chamando a atenção na Netflix. Eu Nunca… (Never Have I Ever) chegou à plataforma no último dia 27 e, em pouco mais de uma semana, está conquistando posições cada vez mais promissoras no top 10 dos títulos mais vistos. Mas o que a série protagonizada por Maitreyi Ramakrishnan, atriz estreante de 17 anos, tem de tão diferente? Pois então, é um seriado que une delicadeza e humor para falar de forma verdadeira sobre essa época (que é a adolescência) da vida. Eu acabei maratonando os dez episódios (o mais curto tem 22 minutos e o mais longo, 30) e te conta por que “Eu Nunca…” é um dos novos sucessos da Netflix.

Mindy Kaling é a mente por trás de “Eu Nunca…”, inspirada em sua própria vivência. Os pais da criadora imigraram da Índia para os Estados Unidos e Mindy nasceu logo depois, assim como acontece com a sua criatura, Devi Vishwakumar, a protagonista da série. Conhecida por interpretar Kelly Kapoor em The Office e também escrever roteiros para a série e está no elenco de Uma Dobra no Tempo (2018) e Oito Mulheres e um Segredo (2018). Tanto sucesso fez com que a Netflix desse sinal verde quando Kaling apresentou o projeto para essa série. O texto inspirado de Kaling ao lado da sua amiga cocriadora Lang Fisher.


A trama acompanha Devi (Maitreyi Ramakrishnan), uma jovem de origem indiana que vai morar nos EUA com os pais no início dos anos 2000. Atualmente na escola, ele vive todos os dramas já conhecidos do período: sente que não se encaixa; faz parte do grupo dos “nerds” ao lado das amigas Fabiola (Lee Rodriguez) e Eleanor (Ramona Young); e do seu rival Ben (Jaren Lewison) que vive competindo com ela pelas melhores notas. A protagonista está vivendo o luto familiar, e ela mesma não percebe como isso a afeta, e como uma válvula de escape para não precisar lidar com seus problemas de verdade, acabar desenvolvendo uma paixão platônica por Paxton (Darren Barnet). E desse modo, vemos as dores desse sentimento sendo encaradas por duas personagens. Em primeiro plano, está Devi, que foge dessa realidade e age de modo meio rebelde. E, do outro lado, a mãe Nalini (Poorna Jagannathan), que acaba reprimindo muitas emoções e impondo um regime controlador à filha. Nalini acha que precisa ser perfeita para que sua família seja feliz, mas a verdade é que ela é apenas uma pessoa, com medos e receios, e que precisa desmorona um pouco também.


Personalidade dos personagens: No seriado, vemos uma narrativa com personagens de diferentes estilos, etnias e orientações sexuais. A protagonista, Devi, é uma nerd indiana, totalmente fora do padrão, que, no começo da série, precisa andar em uma cadeira de rodas.

Uma de suas amigas, a Eleanor, é asiática, faz teatro e adora drama, está sempre com looks bem coloridos e chamativos. Sua outra amiga, a Fabíola, tem um estilo totalmente diferente, mais sério, e também é uma ‘geek’, que entende tudo de computação. O grande drama dessa personagem, no entanto, é que ela está lidando com a descoberta da sua homossexualidade. Apesar do bonitão do colégio seguir um pouco a linha do garoto malhado, Paxton tem descendência asiática, seus avós são japoneses e ele, inclusive, fala o idioma. Além disso, ele tem uma irmã, Rebecca, que tem síndrome de down. Que é uma garota bem estilosa e de muita personalidade.



Uma rivalidade diferente: Ben é o grande rival de Devi “garoto riquinho” da escola. É aquele personagem que é uma linha tênue entre o amor e ódio. Sua vida poderia ser “perfeita” e ele facilmente poderia ser retratado como alguém arrogante, mas de bom coração, que também tem seus erros, mas no fim não deseja fazer mal a ninguém, mas a verdade é que o preço de tanto luxo é a ausência dos pais, que transforma o garoto em alguém solitário e mesmo tendo uma rivalidade com Devi, ela é a única pessoa que enxerga ele e vice-versa. Tanto que quando ela mais precisa de ajudar, Ben é o único que não desiste dela e inclusive acoberta uma das suas mentiras para não estragar a relação de Devi e sua família. E, novamente, tudo isso é trabalhado da forma mais natural possível, trazendo uma identificação única para o público. Eles vão descobrir que tem um tanto em comum –  além da inteligência!


A família da protagonista é indiana e hinduísta. A partir disso, acompanhamos alguns aspectos dessa cultura. Um exemplo é o drama das mulheres, tal como o de Kamala (Richa Moorjani), prima de Devi. A jovem vive como outras garotas americanas da sua idade, ela estuda e quer uma vida independente, entretanto, ainda é submetida ao casamento arranjado. E,então, conhecemos um pouco das tradições ao acompanhar as personagens, que se vestem adequadamente para o evento e seguem a celebração – ainda que Devi não seja muito feliz fazendo isso.


  • E tem uma trilha sonora da série é incrível e viciante. Mescla músicas eletrônicas e do pop contemporâneo,  e hits um pouco mais antigos, como Dancing on my own, da Robyn. Assim, a energia do eletropop acompanha bem as diferentes emoções e momentos vivenciados pelos atores.



A história, que a princípio parece só mais um romance adolescente “bobo”, não é dessas que o casal fica junto no final e tudo são mil maravilhas. Não espere uma protagonista clichê; estilo boazinha e tímida. Ela é apenas alguém com falhas e qualidades, que precisa superar seus problemas aos poucos, como acontece na vida real. E fala sobre temas mais profundos e sérios como depressão, luto, relações familiares, sentimentos, sexualidade, emoções profundas e reconciliação e a maneira que cada pessoa lida com as dores da vida. Tudo isso garante uma forma real como os personagens são tratados, que faz a gente se identificar. Tudo isso com uma delicadeza ímpar.

Pode ser uma comédia adolescente, mas é uma série com humor inteligente e um conteúdo atrativo para todos.A gente já deixa o aviso: você irá rir e se emocionar em todos os episódios da série, Eu Nunca…

E para fechar com chave de ouro, assista ao trailer:

Gostou da nossa matéria? Acompanhe no Pinterest e Instagram para ver mais conteúdos.

LEIA MAIS

Filmes que dar vontade de viajar
Gatunas: uma série para você maratonar e amar
Das páginas para as telas: filmes baseados em livros que deram certo
Quarentena no sofá: 12 séries para maratonar na Netflix


Comentar via Facebook

Comentário(s)

Deixe uma resposta