Desculpa, mas eu não vivo de ilusões

texto01

Às vezes fico imaginando como eu puder ser tão ingênua em acreditar em você. Não consigo imaginar como conseguir acreditar em todos os seus “eu te amo”, como me deixei levar igual uma garota ingênua que estar descobrindo o amor. Talvez eu ainda seja mesmo uma “garota ingênua” que estar nessa fase de descobrir o amor. Mas você tem que sabe que garotas ingênuas com tantas ilusões elas acabam ficando frias para um dia amar alguém. E você pode-te certeza que a garota ingênua que você conheceu, eu assassinei ela aqui dentro de mim. Foi difícil matar ela, mas eu consegui.  Ela já está mortinha da silva, e nem você, e nem ninguém vai consegui ressuscitar ela de volta.

Mas você tem que sabe que nem todas as garotas são ingênuas para o lado do amor. Algumas já sabem quais as armas que elas têm que usar e, um dia você vai se apaixonar por essa garota  e ela vai despedaça o seu coração. E aí, você vai se lembrar de mim, o tanto que me fez sofrer e, vai ver que perdeu a pessoa que um dia te amor de verdade sem perdi nada em trocar (apenas que me amasse) e tenho certeza que você vai se arrepende muito.

E talvez você me procure com essa sua lábia de Don Juan dizendo que vai sempre me amar, que nunca, mas vai me fazer sofrer e todo aquele seu blábláblá. Vou apenas te dar um conselho, não perca o seu tempo batendo no meu portão que não vou acreditar em, mas nada que sair de dentro da sua boca.

O seu jeito Don Juan não me conquistara mais e, se você for à porta da minha casa só tenho que te dizer uma coisa que está engasgado na minha garganta. Eu te amei muito me entreguei de corpo e alma para você. Mas, eu fui como uma rosa delicada e sensível só que eu tinha espinhos, e você esqueceu-se disso e hoje o que apenas me restou foram os espinhos. Agora você não pode mais brincar, porque eles vão acabar te machucando. E eu não quero te machucar. Então, por favor, esqueça que eu te amei. E esse amor que eu sentia por você já esta morto, mas eu não precisei assinar ele. Foi embora sozinho, ele acabou se tocando que eu não vivo de ilusões. Adeus espero nunca mais ter encontrar e, se caso topar comigo pelas ruas finja que não me conhece.


Comentar via Facebook

Comentário(s)

3 comentários em “Desculpa, mas eu não vivo de ilusões”

    1. Que bom que gostou do texto! Não é verídico, talvez alguém tenha passado por isso, mas ainda não foi comigo!
      Beijos chuchuzinho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *