Basta, amar não basta!

texto22
Poucas frases ditas e ouvidas parecem aprisionar tanto quanto “eu te amo”. Às vezes, só de pensar que amamos alguém ou que alguém nos ama já aprisionamos ou somos aprisionados. É como se o amor fosse tudo. Mas, não, não é ou pelo menos não deveria ser. A gente trata o amor como se ele fosse justificativa para tudo. Não no sentido de usar o amor como razão para alguém levar um carro de som para a porta da casa do outro tocando alguma balada da Mariah Carey ou para chamar um homem barbado e peludo de 30 anos de idade de “bebê”, mas no sentido de achar que por alguém nos amar devemos aceitar tudo que ele faça (ou não faça). A pessoa que você ama não tira um tempo para te acompanhar nos eventos que são importantes para você, não te inclui nos programas dela, acha que toda reclamação sua é um drama, marca algo e não aparece, não atende e depois não retorna, não cuida de você nem da relação, mas diz que te ama, então, você tolera tudo. Ele não te ama, mas diz que ama, então, tudo bem! Ele diz que você é importante para ele, mas não faz a mínima questão de te ter ao lado, não na vertical, em um bom abraço, em uma boa conversa, você só interessa na horizontal, em uma cama, de preferência com as luzes apagadas e sem demorar muito, sabe como é, né? Ele é muito ocupado! A gente faz do amor a nossa última esperança de uma vida feliz, então aprendemos a pagar qualquer preço pela ideia de que alguém no mundo nos ama, de que alguém no mundo nos pertence, de que pertencemos a alguém.

E o preço pago por vezes é tão alto que vamos aceitando “cheque sem fundo” como “amor da minha vida”, e só percebemos a furada na hora do “saque”, na hora que precisamos de alguém e descobrimos que não temos. Ou fazemos com que paguem sem merecermos, pois quando percebemos que o outro nos ama ao invés de o tratarmos ainda melhor, achamos, mesmo que inconscientemente, que ele vai ter que provar. Se ele ama mesmo ele vai ter que conhecer o meu pior e continuar amando, ele vai ter que aceitar tudo, se me ama de verdade! Tolice.Transformamos o amor que nos tinham em ódio e ainda deixamos quem nos amava como se a culpa não fosse nossa. Será que você sabe amar? Será que você sabe ser amado? Sentir amor te isenta de agir com amor (se isso for possível)? No amor, no sentimento, no relacionamento, no coração, qual a sua ação para ter e manter um amor? Sei que falar de amor e flores é um pouco brega, mas não temo ser brega, temo ser alguém infeliz.

Se o amor fosse uma flor qual delas você iria preferir ter e ser: um buquê lindo, que a todos encanta, comprado na melhor floricultura, mas que em alguns dias (ou horas) morreria, ou uma flor de plástico, artificial, mas que duraria por todo o sempre, amém, ou uma semente que demoraria para florescer, que viveria o tempo que tivesse que viver, mas seria real, natural e única? Você escolhe, você colhe. Na vida cada um decide com o que a própria vida será gasta, o que desgasta, mas para todos a vida ensina, não basta, amar não basta. Então, não se encante com “eu te amo”, o amor faz feliz quando o outro puder te dizer, sem receio, “eu te mereço”.

Texto escrito por Ruleandson do Carmo, Jornalista, 26 anos, BH/MG, mestre em Ciência da Informação, especialista em Criação e Produção para Mídia Eletrônica, professor do curso de Jornalismo da Ufop. Para saber mais, acesse  Eu só queria um Café.


Comentar via Facebook

Comentário(s)

3 comentários sobre “Basta, amar não basta!

  1. Camilla disse:

    Forte o texto. Acho que, no quesito sentimento, não tem bem uma regra. É questão mesmo de se conhecer. Saber quais sentimentos quer pra si, quais quer repelir. O que faz bem de fato e o que só engana. Auto-conhecimento puro!

    Beijinhos 🙂
    http://www.mademoiselleparis.com.br/

Deixe uma resposta