“A Barraca do Beijo” um filme sobre fraternidade e amor proibido

Sabe aquele tipo de amizade que desejamos viver? Que compartilham segredos, sonhos, medos e os melhores momentos que vivem juntos, ainda mais quando essa amizade é do sexo oposto. Então é o caso do filme “A Barraca do Beijo”.

Conta a história de dois melhores amigos Elle (Joey King) e Lee (Joel Courtney), ambos nasceram no mesmo dia e na mesma hora (circunstâncias que só acontecem em filmes), suas mães são melhores amigas dês de sempre, de certa forma os dois acabam crescendo juntos e assim ser tornando melhores amigos. Melhor dizendo, eles são inseparáveis, praticamente irmãos, um não sabe viver sem o outro. E durante a infância os dois criaram uma lista de regras, essas que vão sendo citadas ao longo do filme.

A história acontece em uma daquelas típicas escolas norte-americanas. Temos aquele personagem obrigatório, como o garoto mais popular do colégio, Noah (Jacob Elordi), é o irmão mais velho de Lee, o garoto mais desejado da escola, o quarterback do time, e um brigalhão; uma das coisas não desenvolvidas no filme é a questão da raiva que o personagem sente às vezes, deixando até seu irmão com medo dele, mas fora isso, vemos que o garanhão Noah tem um coração meigo quando se fala da jovem Elle – parecendo algo mais fraternal; que sempre teve um queda por ele. Mas o que antes não passava de uma paixão platônica de infância se transforma em algo mais, porém, ficar com Noah está fora de cogitação, já que isso infringiria uma das regras mais importantes da amizade, a de número 9, que dizia que parentes estavam fora de cogitação. Não que Noah fosse querer alguma coisa com Elle (será?), afinal, o cara vivia implicando com ela.

Com a escola preparando uma feira de arrecadação de fundos, Elle e Lee teriam que criar algo novo e surpreendente para arrecadar muito dinheiro e nada melhor que uma Barraca do Beijo para isso. Para fazer da proposta um sucesso, a garota tenta convencer o galã Noah, a participar da brincadeira, já que o trio de garotas populares só aceitariam participar da barraca se o garanhão estivesse lá, e com essa nova missão em mãos, Elle terá que convencer Noah a aceitar participar. Ele mostra-se irredutível, mas os dois acabam se aproximando como nunca, o que pode estremece a amizade de Elle e Lee. A barraca acaba sendo um sucesso, a melhor atração do evento, o que deixa Elle muito satisfeita. E aquele dia tão bacana ainda lhe reservava muitas surpresas…

“A Barraca do Beijo” é um filme clichê, porém, foi bem executado pelo diretor, ele trabalhou o elenco de uma tal maneira que trouxe frescor para este enredo tão batido. Tudo foi conduzido muito bem e o filme possui a dose certa de comédia romântica; os atores são cativantes e conseguem te fazer rir e se emocionar com cada momento, um filme ótimo para ver e rever sempre que quiser. A fotografia do filme é linda e a trilha sonora muito boa. Para quem curte filmes desse gênero a Netflix acertou em cheio!

Veja o trailer:


Para quem não sabe o filme é baseado no livro “The Kissing Booth” da escritora Beth Reekles, que será lançado esse mês no Brasil pela editora Astral Cultural. A sequência do livro deve ser publicada ainda este ano e a autora já está dando indícios de que pode haver uma outra adaptação.

Agora eu é que quero saber de vocês: alguém também já assistiu “A Barraca do Beijo” e gostou? Contem o que vocês acharam do filme nos comentários do post e se quiserem, deixem sugestões legais de filme pra eu assistir lá no Netflix.


Comentar via Facebook

Comentário(s)

8 comentários em ““A Barraca do Beijo” um filme sobre fraternidade e amor proibido”

    1. Em todas as redes sociais que eu ia só comentava do filme, então, eu precisava assistir pra ver ser era tudo isso, daí eu acabei gostando. 😀

Deixe uma resposta